Curso – O Corpo Transpessoal (CONFIRAM!)


Olá pessoal!

Uma de nossas parceiras na área de treinamento, Dra Teresa Cristina Simões, está convidando a todos para participarem do curso “O CORPO TRANSPESSOAL: EXPANSÃO CULTURAL EM EDUCAÇÃO E TERAPIA CORPORAL”.
O curso é destinado à profissionais que atuam na área corporal, que pretendem se capacitar como facilitadores da transpessoalidade no corpo e às pessoas interessadas em cuidar de si próprias por meio de técnicas corporais em psicoterapia e educação.

O curso será ministrado em Campinas em parceria com a Alubrat e vem com uma proposta de expandir os horizontes e capacidades de todos os envolvidos.

Com certeza, promoverá o crescimento pessoal, espiritual, profissional, etc, e permitirá uma reflexão maior sobre nossas percepções, potenciais e possibilidades.

Este eu recomendo!                Um ótimo curso para todos!

Vejam a seguir a chamada para o curso:

Vejam a seguir o programa do curso:

O Corpo Transpessoal

Curso de Expansão Cultural em Educação e Terapia Corporal

Campinas – primeiro e segundo semestres de 2012

Curso  de  curta  duração  que  nos  reconecta  com  algo  muitas  vezes esquecido: a linguagem corporal com seus códigos e mensagens.

•   Favorece a compreensão e constatação pessoal da transpessoalidade do corpo transformando essa condição em recurso incorporado a vida diária.
•   Desenvolve a atenção e reflexão sobre o corpo e sobre suas implicações nas práticas terapêuticas e educacionais.
•   Introduz  a  percepção  das  várias  dimensões  corporais  por  meio  de vivências e práticas.

Estratégia  

Módulos teórico-vivenciais e práticas com foco no corpo físico.

Público Alvo:  

    •   profissionais que atuam na área corporal;
•   profissionais  que  pretendem  se  capacitar  como  facilitadores  da transpessoalidade do corpo;
•   pessoas  interessadas  em  cuidar  de  si  próprias  por  meio  de técnicas corporais em psicoterapia e educação.

Programa

Módulo I:

9  de  março  (sexta)  –  “O  Corpo  Transpessoal”,  com  Teresa  Cristina Simões e Regina Devescovi.

10 de março (sábado manhã) – “A Abordagem Integrativa Transpessoal”,  com Arlete Silvá Àcciari

10  de  março  (sábado  tarde)   –  “Uma  Visão  do  Ser  Transpessoal”,  com Arlete Silvá Àcciari

Módulo II:

30  e  31  de  março  (sexta  e  sábado)  –  “Integração  do  Corpo  Físico:  O Método GDS das Cadeias Musculares e Articulares”, com  Maria Antonia Miguet e Regina Devescovi.

Módulo III:   

4 e 5 de maio (sexta e sábado) – “Pressupostos Básicos da Abordagem Integrativa Corporal”, com Frieda Maria S. Sousa.

Módulo IV:  

1 e 2 de junho (sexta e sábado) – “Integração Físio-Psíquica: a Tradição Reichiana e a Bioenergética”, com Brasilda Rocha .

Módulo V:

3 e 4 de agosto (sexta e sábado) – “Integração Físio-Psíquica: a Tradição Junguiana e a Calatonia”, com Leda Seixas.

Módulo VI: 

31  de  agosto  (sexta)  –  “A  comunicação com  a  consciência  através  da estrutura  física  e  sua  reestruturação  pela  estrutura  ocular  e  cerebral”,  com Teresa Cristina Simões.

“O Corpo Transpessoal”, com  Vera Saldanha,

1 de setembro (sábado) – Regina Devescovi e Teresa Cristina Simões.

Duração: 6 módulos de março à setembro

Número de Vagas: 25

Dias e Horários: sextas e sábados, das 8h às 18h.

Local  :  Alubrat-Campinas;  Rua  Renato  Mariano  da  Costa  Lobo,  223, Parque da Hípica,  Campinas,SP.

Preço: R$ 230,00 no ato da inscrição mais 5 cheques de R$ 230,00.

Coordenação Geral: Vera Saldanha.

Coordenação Pedagógica: Regina Devescovi e Teresa Cristina Simões.

Corpo Docente

•   Dra.  Vera  Saldanha  –  Psicóloga  Clínica  e  Doutora  em  Educação Transpessoal  pela  UNICAMP.  Autora  de  publicações  em  Psicologia Transpessoal,   entre   elas   Psicologia   Transpessoal   –   Abordagem Integrativa     –   Um     Conhecimento Emergente em Psicologia da Consciência  (Ed.  Unijui),  Co-autora  de  Psicologia  da  Consciência,
Expansão  da  Consciência,  Arte  de  Morrer  entre  outros.  Ministra cursos em Psicologia Transpessoal no Brasil e Exterior.

•   Arlete  Silvá  Àcciari  –  Psicóloga  Clínica  e  Educadora,  Especialista em  Psicologia  Transpessoal.  Coordenadora  Regional  do  Curso  de Pós-Graduação  em  Psicologia  Transpessoal  da  Alubrat-Campinas.  Membro do Colégio Internacional dos Terapeutas.

•   Brasilda  dos  Santos  Rocha   –   Psicóloga   Clínica   e   Educadora.  Especialização  em:  Biodinâmica  (com  Gerda  Boyesen  –  Inglaterra);  Bioenergética  (com  Alexander  Lowen  –  EUA);  Anatomia  Emocional (com  Stanley  Keleman  –  EUA);  Biossíntese  (com  David  Boadella  – Suíça). Autora dos livros “Brinkando com o Corpo”  e “Brinkando na Escola”, voltados aos profissionais que atuam na área de educação infantil. Ministra cursos e palestras por todo o Brasil.

•   Frieda Maria S. Sousa – Psicóloga com especialização em Psicologia Clínica,  Psicologia  Transpessoal,  Psicoterapia  Corporal  e  Gestalt- Terapia.    Consteladora   Familiar  com  formação  pelo  Instituto  La Montera de Sevilha e treinamento Avançado pelo Hellinger Sciencia.  Ministra   cursos   em   Psicoterapia   Corporal   dentro   da   Psicologia
Transpessoal   e   Gestalt-Terapia,   em   vários   estados   do   Brasil e  exterior, e formação em Constelação Familiar.

•   Leda Maria Perillo Seixas – Psicóloga, Mestre em Psicologia Clínica pela   PUCSP, com   especialização em Psicoterapia   Junguiana e Cinesiologia  Psicológica.  Psicóloga  Clínica  e  Professora  do  Sedes Sapientiae  desde  1986,  ministrando  aulas  de  teoria  junguiana  e técnicas  de  trabalho  corporal.  É  editora  da  Revista  Hermes  (ISSN 1677-8979),  publicação  do  Instituto  Sedes  Sapientiae,  desde  1996.  Participa do Núcleo de Pesquisa em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

•   Maria Antonia Carneiro da Cunha Miguet – Fisioterapeuta formada pela  USP.  Especialização  em:  Método das Cadeias  Musculares e Articulares GDS (com Godelieve Denys Struyf –França); Reeducação do  Movimento (com  Ivaldo Bertazzo-Brasil);  Coordenação  Motora (Método  Béziers); Danças Circulares Sagradas (Instituto Dança Viva –   Holambra   –   SP);   Reeducação Postural Global   (com Philippe Souchard – França);  M.P.S. –   Manipulação Profunda      Senso Perceptiva  (com  Eduardo  Marchesvsky);  Acupuntura  Sistêmica  e  Auricular (Instituto Brasileiro de Acupuntura/Ribeirão Preto).  Atua na área de Terapia Manual, Reeducação do Movimento e da Postura.  Ensina  junto  a  equipe  de  professores  do  Método  GDS  no  Brasil,  possuindo a “Charte de Qualit ” desse método.

•   Regina  de  Campos  Balieiro  Devescovi  –  Socióloga  e  Antropóloga formada  pela  USP  e  Educadora  do  Corpo  e  do  Movimento.    Tem Formação Completa em Yoga (Centro de Estudos de Yoga Narayana – SP) e Especialização em: Reeducação do Movimento (Ivaldo Bertazzo – SP); Danças Circulares Sagradas (com Renata Ramos – TRIOM/SP);     Teoria Junguiana e Cinesiologia Psicológica (Instituto Sedes Sapientiae – SP); Método GDS das Cadeias Musculares e Articulares (ICT-GDS         –     Bruxelas,        Bélgica);       Psicologia       Transpessoal (ALUBRAT/Campinas-SP).  Atua      nas     áreas     de:    Yoga e de Consciência, Organização Corporal e Reeducação do movimento.

•   Teresa Cristina Simões – Formada em Educação Física pela PUCC, Especialista  em:  Bases  Metodológicas  da  Atividade  em  Academia  (FMU),  Modalidade  Step  (com  Maurício  Amantéa  –  Instituto  Step Force),  Cinesiologia  Aplicada  (Instituto  Three  in  One  Concepts  –  EUA),  Balanceamento Muscular (Instituto Brasileiro do balanceamento Muscular), Psicologia Transpessoal (Alubrat/Campinas). Ação profissional na educação pelo corpo em instituições    escolares  e  academias,  e  na  área  terapêutica  –  desenvolvimento  da consciência através da estrutura corporal.

Inscrições até dia 23 de fevereiro  

Mais Informações:  Fone: (19) 3255-1850 –  campinas@alubrat.org.br

Anúncios

Crianças indígenas são mortas todos os anos, mostra Cimi


http://www.promenino.org.br

Brasília – O assassinato de uma criança indígena no Maranhão, carbonizada por madeireiros em outubro de 2011, provocou a indignação de brasileiros em redes sociais na semana passada. Embora tardia, a reação não diz respeito a um fato isolado ou inédito, já que todos os anos, crianças e jovens indígenas são mortos em todo o país.

Os assassinatos, no entanto, nem sempre são protagonizados por não índios em busca de terras e madeira. Comunidades com problemas de álcool e drogas são palcos de tristes episódios, como o assassinato de um bebê indígena de 9 meses, a golpes de facão, em novembro do ano passado. O fato ocorreu depois de uma briga, envolvendo o pai do garoto e outros índios alcoolizados da tribo, localizada em Minas Gerais.

O número de crianças indígenas assassinadas em 2011 ainda não foi fechado pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi) mas, em 2010, relatório do órgão informa que quatro menores foram assassinados, entre eles, uma menina de 8 anos. Ela foi estuprada, agredida e morta a pauladas depois de passar a tarde nadando em um açude. O fato ocorreu na aldeia Tey Cuê, em Mato Grosso do Sul, e segundo as investigações, uma tia da menina ofereceu a garota em troca de drogas.

Em 2009, o Cimi registrou 11 assassinatos de menores, entre eles o de um garoto de 9 anos do grupo Guarani Kaiowá. Ele foi estuprado e morto por um adolescente da própria aldeia. Em 2008, uma menina da Etnia Guajajara foi morta a tiros no Maranhão quando assistia TV em sua casa, que ficava à beira de uma rodovia. Os disparos contra a casa foram feitos por motoqueiros. As terras dos guajajara foram demarcadas entre fazendas e rodovias, e frequentemente há conflitos com madeireiros e moradores das cidades no entorno das áreas indígenas.

Além dos episódios de violência a que estão submetidas, dezenas de crianças indígenas morrem todos os anos por falta de condições próprias de higiene, desnutrição e falta de atendimento médico. Em janeiro do ano passado, oito pequenos xavantes morreram em apenas 15 dias após um surto de pneumonia.

Fonte: Agência Brasil

Hora de Regulamentar o 3º Setor


O site do Estadão (www.estadao.com.br) publicou no dia 3/01/12, um texto de Rodrigo Baggio sobre regulamentação do Terceiro Setor. Segue o link para o original e abaixo a transcrição na íntegra do artigo:

Hora de regulamentar o Terceiro Setor
Por Rodrigo Baggio

As organizações não governamentais (ONGs) ganharam força, no nosso país, a partir do processo de redemocratização política que se deu após o período da ditadura militar (1964 a 1985). Mas foi no final dos anos 80 que se intensificou o debate nacional e internacional sobre a incapacidade do Estado de atender às demandas sociais da população e a necessidade de fortalecimento da sociedade civil nesse processo, ampliando a difusão dos conceitos de Terceiro Setor e responsabilidade social corporativa.

Nessa época crescia no Brasil a consciência do empresariado a respeito da necessidade de se promoverem transformações sociais que fossem muito além do assistencialismo e atendessem às reais necessidades da população. E foi assim que, no início da década de 1990, surgiram importantes iniciativas voltadas para os campos da educação, da inclusão digital, do meio ambiente e da sustentabilidade.

Não podemos deixar de mencionar iniciativas importantes, como a Ação da Cidadania, criada em 1993 pelo sociólogo Herbert de Souza, o saudoso Betinho, a partir do movimento pela ética na política; e a Pastoral da Criança, fundada em 1993 pela médica pediatra e sanitarista brasileira Zilda Arns (falecida em 12 de janeiro de 2011 em Porto Príncipe, vítima do terremoto que devastou o Haiti). Em seu trabalho, a doutora Zilda aliou o conhecimento científico à cultura popular, valorizou o papel da mulher pobre na transformação social e mobilizou a sociedade civil e empresários na luta por uma vida digna para todos.

Além disso, organizações globais como a Skoll Foundation, a Schwab Foundation e a Ashoka desenvolvem um amplo trabalho de apoio e incentivo ao empreendedorismo social.

A Ashoka, por exemplo, é pioneira no campo da inovação social e há mais de 30 anos vem indicando e premiando profissionais desse segmento de atuação. Para eles, o Brasil, sem dúvida, pode e deve ser visto como terreno fértil para iniciativas voltadas para essa categoria. Os seus empreendedores sociais fazem parte de uma rede mundial de intercâmbio de informações, de colaboração e de disseminação de projetos. Essa rede é composta por mais de 2.700 empreendedores localizados em 70 países – incluindo o Brasil, com 320 profissionais.

As recentes denúncias que estamparam as páginas dos jornais e revistas brasileiros sobre a participação de organizações não governamentais em esquemas de desvio de verbas públicas não podem ser interpretadas de maneira simplista. Segundo dados da Organização Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong), com base nos números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem cerca de 340 mil ONGs no Brasil. E como fundador do Comitê para Democratização da Informática (CDI), ONG que atua há 16 anos na área de inclusão digital, com recursos oriundos do setor privado, posso garantir que a grande maioria dessas instituições sem fins lucrativos atua de forma séria e comprometida.

Essas notícias, que acabaram provocando a queda de três ministros do governo Dilma Rousseff – Carlos Lupi, do Trabalho, Orlando Silva, do Esporte, e Pedro Novais, do Turismo -, levaram a presidente da República a suspender no final de outubro, por 30 dias, todos os repasses de verbas federais para ONGs. O Decreto n.º 7.592, de 28 de outubro de 2011, determinava uma devassa em todos os convênios firmados entre o governo federal e essas organizações até o dia 16 de setembro do ano passado, quando foram estabelecidas regras mais rígidas para contratos dessa natureza. Somente foram preservados do bloqueio contratos ligados a programas de proteção a testemunhas, serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) e convênios com histórico de idoneidade, pelo menos, nos cinco anos anteriores.

Ainda segundo a Abong, as entidades civis sem fins lucrativos protestaram contra os danos morais que o decreto acarretou a milhares de organizações que desenvolvem projetos e ações relevantes para a sociedade. Além disso, a medida desviou o foco do problema para as organizações não governamentais, e não para os políticos que utilizam os seus cargos para efetuar práticas ilícitas.

De acordo com o Portal da Transparência, em 2010, do total de R$ 232,5 bilhões de transferências voluntárias do governo federal, R$ 5,4 bilhões destinaram-se a entidades sem fins lucrativos de todos os tipos, incluídos partidos políticos, fundações de universidades, etc. Ao todo, 100 mil entidades foram beneficiadas, 96% delas com transferências de menos de R$ 100 mil. Se juntarmos todas as denúncias contra ONGs publicadas na imprensa nos últimos 24 meses, as entidades citadas não passariam de 30.

Para evitar os excessos cometidos é fundamental e inadiável aprovar, e urgentemente, um marco regulatório que tangencie a atuação das organizações não governamentais – uma demanda já antiga das instituições que atuam no Terceiro Setor – e contemple o perfeito cumprimento das normas, por meio de auditorias técnicas eficazes e do estabelecimento de indicadores transparentes de qualidade e de fiscalização.

Na verdade, os escândalos que envolvem as organizações não governamentais têm sua origem num grupo de políticos corruptos que abusam de sua autoridade para desviar dinheiro público em benefício próprio. E esse quadro só vai melhorar quando a Lei da Ficha Limpa for devidamente aplicada e o Congresso Nacional acabar de vez com o voto secreto, que exime deputados e senadores de cumprirem suas responsabilidades.

A hora é esta e o Terceiro Setor precisa se unir e mobilizar todos os meios legítimos para defender essa causa. Chegou o momento de o governo federal tomar posição assertivamente e combater a corrupção de forma técnica e transparente.

Fonte: http://captacao.org

Edital para Ongs: Apoio a projetos de Conservação de Estradas


O fundo britânico Road Safety Fund abriu inscrições para recebimento de propostas de ONGs e governos de países em desenvolvimento com o objetivo de financiar com até 30 mil libras (cerca de 75 mil reais) projetos na área de segurança no trânsito e políticas públicas.

Os projetos devem estar alinhados com o propósito de salvar vidas e podem ser enviados, em inglês, até o dia 31 de janeiro de 2012.

Mais informações no site http://www.roadsafetyfund.org/activities/Pages/SmallGrantsProgramme.aspx.

 

Fonte: http://consolidare-pe.blogspot.com

Prêmio Agente Jovem de Cultura


Foi publicado no Diário Oficial da União do dia 14 de dezembro o edital Prêmio Agente Jovem de Cultura: Diálogos e Ações Interculturais, desenvolvido pelo Ministério da Cultura, por meio da Secretaria de Cidadania Cultural (SCC/MinC). O concurso vai conceder 500 prêmios, no valor de R$ 9 mil cada, a iniciativas culturais já realizadas e concluídas, propostas por jovens agentes culturais de todo o país. As inscrições para a premiação estão abertas a partir desta quinta-feira, 15, e se estendem até 31 de janeiro de 2012.

Poderão participar da iniciativa jovens brasileiros natos ou naturalizados e estrangeiros residentes há mais de três anos no país, na faixa etária entre 15 e 29 anos. O edital é uma parceria entre o MinC – que investirá R$ 2,9 milhões – e os ministérios da Saúde (R$ 1 milhão) e do Desenvolvimento Agrário (R$ 600 mil), além da Secretaria-Geral da Presidência da República/Secretaria Nacional de Juventude (R$ 500 mil).

Leia o edital

Anexo 1 – Formulário de inscrição

Anexo 2 – Declaração de Ciência

Anexo 3 – Declaração

Anexo 4 – Formulário Recurso – Fase Habilitação

Anexo 5 – Formulário Recurso – Fase Seleção

Clique aqui para fazer sua inscrição.

Tutorial para inscrições no SalicWeb

(Fonte: SCC/MinC)

Tourism Cares – Financiamento de projetos na área de turismo


A instituição norte-americana TourismCares está com edital aberto para escolha de 12 projetos na área de turismo, para receberem até dez mil dólares cada. Os projetos devem ter como objetivo conservar, preservar ou restaurar localidades culturais, históricas ou turísticas.

A candidatura para o processo de escolha deve ser feita online pelo site http://tourismcares.org/grants/grant-application-process , onde é possível também saber mais informações sobre essa oportunidade. O prazo é dia 1 de março de 2012 e os projetos precisam ser enviados em inglês

 

Fundo para Jovens Feministas


A entidade FRIDA, o Fundo para Jovens Feministas, está com inscrições abertas para receber propostas de apoio a projetos liderados por jovens feministas. Podem participar do processo seletivo organizações ou projetos informais liderados por mulheres ou transsexuais de menos de 30 anos, que concorrerão para receber recursos de até 5 mil dólares para projetos de no máximo um ano de duração. O prazo final de inscrição de projetos é dia 20 de janeiro e o mesmo deve ser apresentado em inglês. Mais informações podem ser encontradas aqui: 
http://youngfeministfund.org.

 

Fonte: http://consolidare-pe.blogspot.com