Procurando oportunidades de trabalho


Job opportunities

Olá pessoal! Bom dia!

O Brasil passa atualmente por uma grande crise institucional, que está levando a todas as camadas da sociedade a se retraírem e perderem a confiança no amanhã, ocasionando um grande número de pessoas sem emprego e a condição suprema de obterem os recursos necessários para suas famílias. No entanto, apesar destes desafios, sempre é bom direcionar nossos esforços na busca de algo maior, sendo os principais ingredientes a confiança, fé, perseverança, trabalho e a crença de que amanhã estará muito melhor.

Pensando nisso, surgem diariamente pessoas e empresas que procuram encontrar soluções para minimizar este impacto social e através de ferramentas e informação, permite que possam ser encontradas OPORTUNIDADES para que elas se reafirmem e consigam prosseguir sua jornada.

Dentro desta linha, a ALAVANCA SOCIAL, através da área INSTITUTO SABEDORIA, pesquisa semanalmente opções para que as pessoas possam procurar e encontrar  vagas de trabalho e consequentemente o emprego que trará mais tranquilidade familiar em todos os níveis.

Para terem acesso a estas informações, visite nossa página OPORTUNIDADES, onde encontrarão links de empresas, ONGs, Agências, sites especializados e formas de busca de vagas de trabalho, seja no Terceiro Setor, como em outras áreas também. Ainda são poucas, mas gradativamente vamos disponibilizar novas opções.

Caso vocês conheçam sites ou áreas na internet que ofereçam esta condição, favor nos enviar para inclusão nesta página.

A todos um excelente dia e que possam encontrar a OPORTUNIDADE que desejam.

 

Anúncios

Médicos sem Fronteiras – Nesta sexta 07/10/15, ajudar vai ser uma delícia!


Quer ajudar Médicos Sem Fronteiras de uma forma diferente?

O 10º Bloomin’Day está chegando! No dia 7 de outubro, em todos os restaurantes da rede Outback Brasil, toda a receita líquida da venda da tradicional cebola dourada, a Bloomin’Onion®, será revertida para MSF.

Confirme sua presença no evento oficial do Facebook

campanha msf

7 de outubro msf

Todo o dinheiro arrecadado com a renda de Bloomin’ Onion® do Outback será destinado ao MSF

O Outback Steakhouse realizará no próximo dia 07 de outubro a tradicional arrecadação de fundos com a 10ª edição do Bloomin’ Day, quando o valor obtido com a renda das famosas cebolas douradas e servidas com molho bloom, descontados os custos e impostos, é destinado à uma instituição sem fins lucrativos. Neste ano, a rede escolheu a organização Médicos Sem Fronteiras, que utilizará o dinheiro em seus projetos de ajuda humanitária.

“Cada um dos restaurantes contribui ativamente para a comunidade ao seu redor. Ao realizar uma ação nacional como o Bloomin´ Day, temos a oportunidade de unir esforços para apoiar uma grande organização como os Médicos Sem Fronteiras”, explica Salim Maroun, presidente do Outback Brasil.

Os restaurantes da rede localizados no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Niterói, Campinas, Goiânia, Belo Horizonte, Salvador, Curitiba, Ribeirão Preto, Vitória, São José dos Campos e São Bernardo do Campo participam da ação.

A organização Médicos Sem Fronteiras atua em situações de conflitos armados, epidemias, catástrofes naturais, desnutrição e exclusão do acesso à saúde. Em contextos que envolvem conflitos, as equipes de MSF levam assistência médica às pessoas mais vulneráveis, independente de que lado do embate elas estejam. Nas emergências causadas por desastres naturais, quando as estruturas de saúde são atingidas ou ficam sobrecarregadas, profissionais são rapidamente enviados ao local da catástrofe.

“Esse tipo de parceria que nós selamos com Outback é muito importante para Médicos Sem Fronteiras. Além do dinheiro arrecadado, fundamental para a manutenção dos nossos projetos, essa iniciativa nos permite levar informações sobre os contextos em que atuamos para os colaboradores do Outback e para os consumidores”, diz Tyler Fainstat, diretor executivo de Medicos Sem Fronteiras-Brasil.

Compartilhe com seus amigos, compareça e ajude MSF a continuar salvando milhares de vidas.

Captar recursos no Terceiro Setor é difícil? Parte 1


Planning

Olá pessoal!

Quero, através deste artigo, mostrar a vocês algumas situações e experiências relacionadas à prática de captar recursos para projetos e organizações sociais, pois entendo que modelos são necessários para que possamos ir nos moldando a uma nova realidade e assim estarmos preparados para ela. Entendo a capacitação pessoal, depois do pensamento e desejo de realização, como uma das mais poderosas ferramentas para que tudo possa ser idealizado e em seguida colocado em prática e execução. Por isso recomendo sempre aos meus alunos e pessoas que nos procuram, que procurem ler, estudar, pesquisar, escrever e tudo o que puder dar uma melhor condição para as nossas tarefas diárias.

Na captação de recursos não é diferente e estar preparado para ela demanda pesquisa, estudo, observação dos fatos, planejamento, conhecimento da área e das pessoas, definições de estratégias, etc. Complicado? Creio que não, principalmente quando você se permite realizar as tarefas de forma ordenada e calma, como forma de abranger o assunto em sua totalidade, focada na sua execução e resultados, ou seja, uma coisa de cada vez, porém, com foco e desejo de que tudo seja para o melhor.

Thinking business woman looking up on speech empty bubble isolated on white background

Em meus cursos, trabalho e contatos com as pessoas percebo na maioria da vezes a insegurança como um dos principais fatores de dificuldade na realização das tarefas, comprometendo o resultado que deseja-se atingir e na grande maioria das vezes percebe-se potenciais claros de entendimento dessas pessoas na realização daquelas tarefas, mesmo não possuindo o conhecimento do assunto. O que quero dizer é que nascemos, crescemos, somos educados através de padrões e comportamentos que nos levam a imaginar situações limitantes que nos impedem de prosseguir e no momento que nos deparamos com determinadas situações não colocamos o nosso conhecimento como forma de entender e buscar a melhor maneira de se preparar para realizá-lo e simplesmente não o realizamos pela insegurança de não estarmos preparados para elas. Vou dar um exemplo claro disso que estou falando: imagine alguém te pedindo para fazer o planejamento de alguma ação ou atividade. Quando não nos emponderamos dessa realidade, nos bloqueamos e não nos permitimos desenvolvê-la e a consequência será a dúvida e dificuldade na realização da tarefa. Neste caso, quando essas pessoas ouvem a palavra “planejamento” logo imaginam algo difícil de realizar e neste momento bloqueiam toda a sua capacidade.

Planejamos o tempo todo, desde o momento que acordamos até a hora em que vamos nos deitar para o descanso merecido e necessário. Quando estamos escrevendo nossas ações em nossas agendas, quando estamos decidindo que roupa vamos usar naquele dia, definindo qual a nossa rotina, etc., estamos planejando cada passo que pretendemos dar e fazemos tudo isso de uma forma muito natural.

Quando conseguimos aliar esta capacidade natural com a capacitação adquirida através de estudo e pesquisas, percebemos que tudo se torna mais leve e tranquilo em sua realização.

Na captação de recursos não é diferente e é necessária sua atenção, foco, pesquisa, estudos, entendimento e diagnósticos para iniciar seu planejamento e posteriormente sua execução. Quando estou conversando com pessoas em organizações, aulas e eventos, algumas das principais afirmações que eu ouço são: “Como captar recursos? Tudo é tão difícil! Não tenho pessoal capacitado! Não consigo fazer devido a falta de tempo!  E assim por diante….

Se perceberam, elas preferem colocar à frente suas inseguranças e medos na linha de frente, estabelecendo bloqueios para sua realização e ficam o tempo todo com dificuldades para obter recursos para seus projetos e infelizmente, em muitos casos, encerram as atividades devido a esta dificuldade.

Hoje estou apenas fazendo uma breve introdução dos fatos para seu entendimento. Nossos próximos artigos estarão sendo colocados aqui no site dando sequência neste assunto, com dicas importantes para que possam realizar suas tarefas nesta e em outras áreas de maneira mais natural e com excelentes resultados, se assim você se permitir.

Um detalhe importantíssimo neste processo: procure desenvolver sempre em conjunto com outras pessoas, pois é importante conhecer todas as expertises e conhecimentos que elas possuem para que o planejamento tenha maiores possibilidades de sucesso.

Group of multi racial business people looking up at copyspace

Um novo olhar…

Portanto, mude seu olhar, confie nos seus talentos e coloque todo o seu potencial para fora e transforme a você, o projetos, a organização, as pessoas envolvidas, a comunidade, etc., e possibilite a mudança .esperada por todos

Até o próximo artigo pessoal! Um ótimo final de semana a todos!

WPF anuncia vaga de trabalho no Haiti


Olá pessoal!

Estamos compartilhando hoje mais uma vaga de trabalho no Terceiro Setor.

Desta vez, atendendo um pedido da Janaína Plessmann, da área de comunicação do Ministério de Relações Exteriores do Brasil, estamos divulgando uma vaga de trabalho no Haiti.

vaga Haiti

Para saber maiores detalhes sobre a vaga e como se inscrever, favor acessar nossa página:

https://alavancasocial.com.br/vagas-no-terceiro-setor/wfp-busca-profissional-para-coordenar-programa-no-haiti/

Desejamos boa sorte a todos os candidatos!

Você sabe como fundar uma Ong?


Capa Inst.Sabedoria

Olá pessoal!

Existe um elo de ligação entre os principais poderes econômicos do país, que interliga pontos importantes que observamos nas comunidades o tempo todo e que, nem os poderes público e privado os resolvem em sua totalidade, sendo necessárias ações que venham complementar soluções para as principais carências da sociedade. Este elo é o Terceiro Setor, cuja responsabilidade e ações permitem que as pessoas encontrem resultados através de fórmulas admiráveis para melhorar condições de famílias e organizações como um todo.

O Terceiro Setor representa hoje, uma importantíssima parcela de transformação e vem minimizar as principais dificuldades das comunidades.

Projetos assistenciais, sociais, ambientais, saúde, esportivos, educacionais, etc., preenchem lacunas e trazem soluções maravilhosas, proporcionando alegria, esperança e uma mudança clara na vida das pessoas.

Aqui no Brasil, mudanças se fazem necessárias, tanto em atitudes, como em vontade política, mas, é claro, percebemos a evolução a partir da década de 90, onde novas leis e mentalidades trouxeram uma nova visão de pessoas e organizações. A partir deste contexto, cada vez mais, pessoas comuns como todos nós, percebem que podem fazer a diferença e, a partir de carências em suas comunidades, procuram criar projetos para supri-las, sendo um dos principais métodos, a criação de Organizações Não Governamentais, conhecidas como ONGs, que, bem estruturadas podem promover estas mudanças.

A Alavanca Social, através da área Instituto Sabedoria, tem em sua grade de treinamento, cursos direcionados para que pessoas que militam no Terceiro Setor e pessoas com desejo de se inserir nesta área, sendo um deles, o Curso COMO FUNDAR ONGS: ASPECTOS ESTRUTURAIS E LEGALIZAÇÃO, o qual promove e estimula pessoas a se prepararem de forma organizada e planejada, a criação de um projeto que resultará benefícios para todos.

Neste curso o aluno conhecerá os principais aspectos que envolvem a fundação de uma Ong, como planejá-la, formatá-la, elaborar orçamentos e rotinas e terá acesso a diversos modelos para esta finalidade, além da prática desenvolvida durante todo o curso. Veja a seguir a capa da apostila que você receberá ao participar deste curso:

Capa_Apostila do Curso Como Fundar Ongs.versã2

Entre em nossa página de cursos http://institutosabedoria.wordpress.com e conheça todas as possibilidades de você se capacitar em sua jornada.

Inscreva-se, forme o seu grupo de estudos e promova o seu crescimento e também de sua comunidade.

Espero por vocês! Um forte abraço a todos!

Torcedores do Japão limpam estádio após derrota na Copa do Mundo


Olá pessoal!

A Alavanca Social sempre teve em um dos seus principais preceitos, compartilhar informações que fossem relevantes para a sociedade e em especial aquelas que possam promover transformações pessoais e em todo o contexto envolvido. Esta, sem dúvida vale até bis!

Existem certas notícias que realmente são um exemplo a ser seguido e por isso mesmo, serem difundidas e compartilhadas com todos. Falo sobre o exemplo de civilidade dado pelos torcedores japoneses após o jogo contra a Costa do Marfim. Digo isso pois normalmente os torcedores, após a derrota de seus times, costumam ficar aborrecidos e em muitos casos agressivos. Neste caso, posso dizer que foi realmente uma lição para todas as pessoas que puderam presenciar a cena e aqueles que tomaram conhecimento, como vocês farão agora.

Vejam que exemplo maravilhoso a ser seguido! Um detalhe, fizeram de forma espontânea! Acompanhem este resumo, publicado originalmente no site Ciclo Vivo:

japao limpa estadio(1)

A estreia do Japão na Copa do Mundo não foi das melhores em termos de futebol, mas a torcida japonesa deu uma lição de civilidade ao mundo. Após a partida, parte dos torcedores orientais ajudou a coletar o lixo deixado nas arquibancadas.

Mesmo tendo perdido o jogo para a Costa do Marfim por 2×1 e de virada, a torcida japonesa não se deixou abater pelo resultado desfavorável. Depois do apito final e com as arquibancadas quase vazias, o que se viu foi um exemplo de cultura e cidadania, com torcedores ajudando a manter a limpeza do estádio após a grande festa.

japao limpa estadio (2)

As imagens dos japoneses com sacos de lixo nas mãos e recolhendo as embalagens do chão foram compartilhadas nas redes sociais e a iniciativa ganhou reconhecimento mundial. O fã clube Nora Guardiola, do Barcelona, replicou as fotos em seu perfil no twitter e tocou fãs do time catalão.

Um dos comentários destaca que ações como essas são raras. “Difícil de acreditar que ainda existam pessoas tão maravilhosas como essas neste mundo moderno”, disse um dos fãs. Em geral, as mensagens são de respeito às pessoas e à iniciativa.

O jogo aconteceu em Recife, no último sábado e contou com a presença de mais de 40 mil torcedores. O exemplo japonês serve de incentivo a torcidas em todo o mundo, para que o espetáculo do esporte seja ainda mais completo.

Por Thaís Teisen – Redação CicloVivo

________________________

ALAVANCA SOCIAL

Promovendo soluções no terceiro setor!

________________________

Dia mundial de Esclerose Múltipla


fundo_WMSD

Bom dia!

O último dia 28/05 comemorou-se o dia mundial de Esclerose Múltipla>

O Dia Mundial da Esclerose Múltipla é comemorado na última quarta-feira do mês de maio, este ano dia 28. ONGs e Associações como o MOPEM (Movimento dos Pacientes com Esclerose Múltipla) e APEMSMAR (Associação dos Portadores de Esclerose Múltipla de Santa Maria e Região), acumulam histórias de superação de pacientes que sofrem com os desafios da doença autoimune.

O diagnóstico é difícil. “Passei por quase todas as especialidades médicas e, inclusive, por neurologistas. Ninguém sabia o que eu tinha”. Quando o diagnóstico chegou, mais parecia uma sentença. Gaúcha de Santa Maria e mãe de quatro filhos, Márcia Denardin se viu exposta a uma doença desconhecida e cercada de mitos. Era o início de uma cruzada para entender o que tinha. Enquanto Márcia recebia o diagnóstico, em Porto Alegre, no ano de 2004; há cerca de mil quilômetros dali, em São Paulo, outra brasileira já convivia com a doença há quase vinte anos. Cleuza Carvalho de Miguel escondeu o que tinha por cerca de oito anos, até acordar um dia sem conseguir se movimentar e nem raciocinar direito. Márcia e Cleuza: dois exemplos de que a esclerose múltipla não é bem o que pensa a maioria.

Uma pesquisa Ibope, realizada em 2010, constatou que 70% das pessoas associam a enfermidade a quadros de demência e envelhecimento. Errado. “A esclerose múltipla é uma doença de jovens”, explica o neurologista, neurocirurgião e diretor médico da APEMSMAR (Associação dos Portadores de Esclerose Múltipla de Santa Maria e Região). Cerca de 70% de todos os casos são diagnosticados em pessoas com idade entre 20 e 40 anos, de acordo com a European Multiple Sclerosis Platform. No Brasil são 35 mil casos. No mundo, 2,5 milhões. “Em alguns países a doença pode ter uma prevalência de 500 pacientes para cada cem mil habitantes”, explica o neurologista.

A Esclerose Múltipla é uma das doenças mais comuns do sistema neurológico e afeta, principalmente, mulheres jovens. De causas desconhecidas, se caracteriza pela inflamação de uma região chamada bainha de mielina, que envolve o axônio – parte do neurônio responsável pela transmissão de estímulos elétricos. Processos simples como andar, dependem do bom funcionamento desse sistema. Nas pessoas que possuem o distúrbio há uma lentidão ou interrupção desses impulsos, devido à inflamação na bainha da mielina.  Em alguns casos, a doença pode se manifestar de forma branda, em outras, mais agressiva. “Tudo vai depender do local do sistema nervoso lesado”, diz Lopes. Os sintomas mais comuns são visão dupla, rigidez, fraqueza, falta de equilíbrio, dormência, dor, problemas no controle da bexiga e intestinos, fadiga, entre outros.

No caso de Márcia tudo começou com um esquecimento. Responsável pela folha de pagamento de uma divisão militar de Santa Maria, a gaúcha começou a ficar preocupada com as falhas de memória cada vez mais constantes. Da manifestação da doença até hoje, enfrentou inúmeras dificuldades: na demora do diagnóstico, no tratamento complicado e cheio de efeitos colaterais e na vida pessoal e profissional. “Passei por tanta coisa, fiquei sem andar, na cadeira de rodas por meses, tinha dificuldade para engolir: tudo tinha que ser triturado e a água engrossada para eu não engasgar”, conta.

A esclerose múltipla não tem cura, mas tem tratamento. Ou melhor, tratamentos. Se tratada desde o início, a chance de o distúrbio evoluir para um quadro degenerativo é mínimo. No Brasil, o principal tratamento da doença é por meio de injeções. Essa é a terapêutica disponível no SUS atualmente e visa reduzir o número de surtos (reaparecimento de sintomas da doença), um dos principais traços da patologia. No entanto, novos medicamentos já procuram reduzir o impacto da enfermidade no sistema neurológico. “A maior inovação, em termos de tratamento da esclerose múltipla, é a medicação de uso oral, que previne a atrofia cerebral”, explica o médico.

Márcia utiliza essa medicação e viu sua qualidade de vida melhorar substancialmente, após mudar o tratamento. Antes, dependia das injeções. Foram mais de 2190 picadas e 50 internações. A mudança na terapêutica necessitou do poder judiciário, já que o tratamento oral, denominado Fingolimode, ainda não está disponível no SUS. Já Cleuza, hoje com 65 anos, virou militante e criou o MOPEM (Movimento dos Pacientes de Esclerose Múltipla).  Atual conselheira do CNS (Conselho Nacional de Saúde), luta pelos direitos dos pacientes de esclerose múltipla, verificando, por exemplo, a correta distribuição de medicamentos pelas secretarias de saúde. “O governo não pode negar acesso gratuito a esses medicamentos inovadores”, defende.

Já Márcia trabalha na rádio Gharathan e é voluntária da APEMSMAR. Luta para que as pessoas vejam na sua história uma segurança para não desistirem. Desmistificada e corretamente posicionada, a esclerose múltipla deixa de ser uma sentença. “A pessoa com esclerose múltipla pode ter uma vida normal, tanto em qualidade, como em quantidade de vida”, assegura o médico.

O que é Esclerose Múltipla?

Esclerose Múltipla é uma doença neurológia, crônica e autoimune, de causas desconhecidas. Manifesta-se quando o organismo confunde células saudáveis do sistema nervoso central com intrusas, e as “ataca” provocando lesões cerebrais. Os sintomas mais comuns são visão dupla, rigidez, fraqueza, falta de equilíbrio, dormência, dor, problemas no controle da bexiga e intestinos, fadiga, entre outros.

Qual a incidência de casos de Esclerose Múltipla no Brasil?

A Esclerose Múltipla afeta 35 mil pessoas no Brasil e 2,5 milhões de pessoas no mundo. A principal incidência é em adultos jovens.

Sobre o MOPEM

Movimento dos Pacientes com Esclerose Múltipla (MOPEM) possui dezoito anos de existência e 400 membros cadastrados. Uma das principais atribuições da entidade é verificar a correta distribuição de medicamentos aos pacientes pelas secretarias de saúde. Cleuza Carvalho Miguel é a presidente do Movimento e Conselheira no Conselho Nacional de Saúde (CNS).

Sobre a APEMSMAR:

A Associação de Portadores de Esclerose Múltipla de Santa Maria e Região (APEMSMAR) é uma ONG que defende os direitos dos portadores de Esclerose Múltipla. A ONG, idealizada pelo também paciente Antônio Luzardo há mais de quinze anos, promove diversas ações para pacientes e familiares, como encontros para a troca de ideias sobre o dia a dia da doença, atividades de reabilitação com fisioterapeuta, terapia ocupacional e assistência social. Os encontros são realizados todas as terças-feiras, às 09h30, no Prédio de Clínicas da UNIFRA (prédio 17), sala 506, localizado na Rua dos Andradas, nº 1250, em Santa Maria/RS. Mais informações sobre a Apemsmar podem ser obtidas pelo site www.apemsmar.blogspot.com.br,

MOPEM e APEMSMAR Informações à Imprensa

Ecco Press Comunicação

11 5543-0039 | 11 9 8326-8408

Cíntia Ferreira – cintia.ferreira@eccopress.com.br

Carina Viana – carina.viana@eccopress.com.br

Renata Garcia Bernardes – renata.bernardes@eccopress.com.br

Ouça músicas enquanto navega em nosso site


Olá pessoal,

Estamos inserindo em nosso site, em fase experimental, um podcast do site SoundCloud.

O objetivo é tornar mais agradável a visita enquanto navegam em busca de informações e soluções.

Caso não goste do estilo das músicas, ou até mesmo queiram interrompê-la, basta clicar em pausar na imagem do podcast localizado na barra lateral do site.

Como ainda não sabemos qual o estilo que você gosta, estamos abertos a sugestões, mesmo que sejam críticas a esta novidade.

Um grande abraço a todos e uma busca mais prazerosa de seus assuntos preferidos em nosso site.

Vejam a seguir a ilustração do site:

podcast

Obrigado

Marcelo Rachid de Paula