Estudo mostra que morar perto de árvores reduz casos de depressão


Alavanca Social e Instituto Sabedoria

“Juntos promovendo soluções e conhecimentos para seu sucesso!”

Olá pessoal

Vamos compartilhar hoje com vocês uma informação muito legal publicada na Redação Ciclo Vivo.

Pesquisa interessante feita no Reino Unido e com resultados muito bons para as pessoas.

Boa leitura!

Morar perto de arvores

Pesquisadores do Instituto de Medicina da Universidade de Exeter, no Reino Unido, desenvolveram um estudo que relaciona a arborização com a saúde mental. Segundo os especialistas, quanto mais árvores, menos quadros de depressão são identificados.

O estudo “Paisagem e Urbanismo” foi publicado na revista científica Science Direct. Os dados analisados pelos pesquisadores foram coletados em Londres, no período de 2009 a 2010. Entre as informações consideradas estão a quantidade de árvores nas proximidades das casas dos pacientes e as informações médicas acerca da saúde mental de cada um. Além disso, variáveis como as condições sociais, tabagismo e idade também entraram nas análises.

Para a pesquisa foram usadas apenas as informações sobre a quantidade de árvores na rua, na proximidade das residências. Os parques e outros espaços públicos de lazer não foram validados. A proposta era avaliar o impacto que a natureza em meio urbano pode ter sobre as pessoas.

Ao cruzar as informações, os pesquisadores identificaram: 40 árvores por quilômetro quadrado, com uma prescrição de antidepressivos que varia de 358 a 578 a cada mil pessoas. Nos locais com maior densidade de árvores, as taxas de prescrição médica para remédios antidepressivos foi menor.

De acordo com o estudo, para cada árvore adicional houve 1,38 menos prescrições para a população. Quando todas as variáveis foram consideradas, a redução foi um pouco menor, de 1,18.

Mesmo com números positivos, os pesquisadores não podem garantir que essa melhoria seja realmente causada pela quantidade de árvores. O que se estima é que locais com a paisagem mais verde estimulam as pessoas a praticarem mais atividades físicas, a interagirem com a comunidade, entre outras coisas que proporcionam maior saúde e bem-estar.

Redação CicloVivo

Construção sustentável


Fonte: http://www.responsabilidadesocial.com/

Distrito Federal abrigará o primeiro centro de inovação com foco na construção civil da América Latina

 

 

Centro de tecnologia desenvolverá soluções inovadoras e sustentáveis para construção civil

 

Uma parceria firmada em agosto, no Reino Unido, viabilizará a criação do primeiro Parque de Inovação e Sustentabilidade do Ambiente Construído (Pisac) da América Latina. O centro será instalado no Distrito Federal (DF). O objetivo é impulsionar a transformação da indústria da construção no país.

Espera-se que o parque contribua para o desenvolvimento de novos métodos construtivos, por meio tecnologias inovadoras, sustentáveis e com preços acessíveis. O centro será instalado no Gama, cidade a cerca de 30 quilômetros de Brasília.

O projeto é resultado de uma parceria entre a Câmara Brasileira da Indústria e do Comércio (CBIC), o Laboratório do Ambiente Construído, Inclusão e Sustentabilidade da Universidade de Brasília (UnB; e a empresa inglesa Building Research Establishment (BRE), que tem mais de 90 anos de experiência em desenvolvimento de pesquisa e inovação na área da construção. Apoiam, ainda, a iniciativa o governo do DF e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Em Londres, o parque tecnológico funciona em uma pequena vila, com dez casas, onde são feitas simulações de tecnologias de adaptação para os efeitos das mudanças climáticas a fim de testar a resistência dos mais variados materiais. Também são experimentados diferentes modelos construtivos que contemplem os conceitos de sustentabilidade e inovação.

No Brasil, a estrutura será semelhante. A missão do parque será a de ampliar as fronteiras da sustentabilidade no país e viabilizar o desenvolvimento de comunidades sustentáveis. “O Pisac é um exercício concreto de pesquisa aplicada que integra responsabilidades, recursos e soluções tecnológicas como vetor de inovação e transformação, contribuindo para o desenvolvimento da cadeia produtiva da indústria da construção no Brasil”, avalia Raquel Naves Blumenschein, coordenadora do Lacis da UnB.

Para o presidente da CBIC, Paulo Safady Simão, para alcançar as metas de produção de moradias de interesse social no país, é preciso investir na implantação de espaços de pesquisa e desenvolvimento (P&D), permitindo, além da redução dos impactos ambientais da atividade, um fortalecimento de novos mercados. “Estamos muito felizes com a assinatura desse protocolo de intenções de cooperação técnico-científica”, disse na assinatura da parceria.

Para a cadeia produtiva da construção, a introdução de inovações tecnológicas, aliada a critérios de sustentabilidade, representa a oportunidade de uma mudança de paradigma. A expectativa é que, no futuro próximo, o setor possa tornar-se uma atividade com baixo impacto ambiental, com trabalhadores qualificados e um ritmo industrial de produção.

Entre em Contato

CBIC
Telefone
: (61) 3327-1013
Site: http://www.cbic.org.br/