Pesquisa reflete a importância das organizações da sociedade civil para o País


Fonte: http://observatoriosc.org.br

Valor dos benefícios gerados pelas entidades à população é maior que valor de isenção fiscal concedida a elas pelo poder público

Por Kaique Santos, do Observatório

O Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (FONIF) divulgou, no fim do ano passado, a pesquisa “A contrapartida do setor filantrópico para o Brasil”, realizada pela consultoria DOM Strategy Partners.

Lançada diante da necessidade do governo de aumentar a arrecadação com o corte da isenção fiscal, o estudo mostra que o valor dos benefícios gerados pelas entidades à população é maior que o valor de isenção fiscal concedida a elas pelo poder público. “Para cada R$ 1 obtido por isenção fiscal, cada instituição filantrópica retorna R$ 5,92 em benefícios para a sociedade”, revelam os dados referentes às áreas de Assistência Social, Educação e Saúde. “O governo está tentando buscar dinheiro onde não existe. E ainda pode tirar um benefício que a população precisa”, defende Eleutéria Amora, diretora executiva da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong).

As isenções também estão relacionadas às contribuições previdenciárias. A desobrigação da contribuição para a Seguridade Social de inúmeras entidades é prevista na Constituição Federal. No último mês de março, a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou uma nota em defesa da isenção para as filantrópicas.


Programa de Treinamento Alavanca Social e Instituto Sabedoria

Faça a pré-inscrição!


R2 Creative

A imagem e comunicação de sua Organização em destaque!


Anúncios

Como se comportam doadores do Brasil e do mundo


Olá pessoal!

Hoje estamos compartilhando com vocês um artigo publicado no Jornal Folha de São Paulo e escrito por Paula Fabiani do IDIS. O artigo fala de pesquisas e tendências no Brasil e no mundo sobre a cultura da doação. Muito interessante para Organizações Sociais e captadores de recursos. Veja a seguir:

Green donate button

Acesse a área de postagens do Instituto sabedoria e leia o artigo!

————————————————————–

Acesse também o site Instituto Sabedoria e capacite-se para suas próximas jornadas.

Uma ótima semana a todos!

————————————————————-

Captar recursos no Terceiro Setor é difícil? Parte 2


Etapa de Preparação e Pesquisa

Olá pessoal!

Relembrando os momentos da parte 1, onde destacamos a insegurança pessoal e a capacitação como alguns dos principais fatores da dificuldade das pessoas em realizar o planejamento e execução de campanhas de Captação de Recursos.

Hoje vamos falar sobre assuntos muito importantes neste processo de construção de uma boa campanha, que é a fase de sonhar, idealizar, estar preparado e iniciar a elaboração dos passos principais necessários para as definições, planejamento e execução dos processos de captação.

ideia

Tudo se inicia com um sonho, uma ideia, uma possibilidade, um desejo. Não importa se trata-se de algo pequeno ou grande, tudo é importante dentro do contexto que procura-se dar forma.

O próximo passo é colocar essa ideia inicial no papel e a partir daí fazer as seguintes perguntas a si mesmo:

  • É possível de ser realizado?
  • Tenho estrutura para torna-lo realidade?
  • Tenho recursos suficientes?
  • Estou preparado para desenvolvê-lo?
  • Preciso de capacitação?

A partir das respostas, saberá se tem condições de dar sequência e caso sinta que é possível inicie uma nova série de perguntas a você mesmo:

  • O que eu farei?
  • Qual o objetivo?
  • Porque eu farei?
  • Qual será o local e público alvo?
  • Como será feito e que recursos necessitarei?
  • Quais serão os custos?

Estas respostas ainda serão genéricas, mas nortearão os próximos passos dos processos seguintes.

Research-with-Focus-People

Não se constrói nada sozinho. A participação de outras pessoas interessadas no projeto será fundamental para que tudo comece a tomar forma, e bem definido e planejado, possa gerar os frutos necessários para sua realização e sucesso.

A opinião de cada um é importantíssima para a definição de todas as necessidades e recursos. Nada ou ninguém deve ser deixado de fora, do mais humilde até o mais alto cargo da organização, principalmente no momento de definição de responsabilidades e dos detalhes do plano de captação dos recursos.

pensando em recursos

Lembro sempre que, apesar da grande maioria pensar somente no recurso financeiro como principal fonte para a condução dos projetos, será fundamental que a visão dos gestores das organizações e responsável pela captação de recursos, seja sempre de planejar esta atividade para a obtenção também de recursos humanos e materiais, pois a somatória dos três recursos é que se encontra a solução de tudo o que é necessário para a sua realização e resultados. Neste quesito, no momento de planejar uma campanha de captação de recursos, sempre coloco os recursos na seguinte ordem de importância: Humano (sem ele nada evolui), material (estrutura) e financeiro para manter tudo.

shutterstock_

Deve-se salientar também, que será extremamente importante ter alguém diretamente responsável pela captação dos recursos, do inicio ao fim dos processos e que será determinante para a condução, coordenação, desenvolvimento/acompanhamento e avaliação. Esta pessoa é que irá conduzir todos os passos do plano em todas as etapas até a sua conclusão. Quanto mais capacitado e preparado para esta tarefa, maiores serão as possibilidades de sucesso.

study_group_students_university_library

A seguir inicia-se um processo que vai durar quase que o tempo todo do desenvolvimento do plano de captação, que é a etapa de pesquisas e estudo sobre o que se deseja fazer. É neste momento que se idealizam as possibilidades, a missão ou objetivo geral e visão do projeto, os principais recursos humanos, materiais e financeiros, definição do grupo de trabalho, definição de responsabilidades, a estrutura mínima necessária para sua execução, custos envolvidos em todas as fases e resultados desejados.

Esta fase também é ainda de definições, porém, importantes para a realização do planejamento da campanha de captação de recursos.

A preparação é fundamental para o inicio do planejamento, suas fases, etapas e atividades, a qual será objeto da parte final destas postagens. Esperamos que as informações de hoje possam ajuda-las(os) na realização da tarefas.

Em nosso próximo post estaremos falando um pouco sobre as características e perfil ideal para a condução e participação na atividade de captação de recursos.

——————————————————–

INSCREVA-SE em nossos CURSOS e promova EVENTOS conosco!

——————————————————–

Captar recursos no Terceiro Setor é difícil? Parte 1


Planning

Olá pessoal!

Quero, através deste artigo, mostrar a vocês algumas situações e experiências relacionadas à prática de captar recursos para projetos e organizações sociais, pois entendo que modelos são necessários para que possamos ir nos moldando a uma nova realidade e assim estarmos preparados para ela. Entendo a capacitação pessoal, depois do pensamento e desejo de realização, como uma das mais poderosas ferramentas para que tudo possa ser idealizado e em seguida colocado em prática e execução. Por isso recomendo sempre aos meus alunos e pessoas que nos procuram, que procurem ler, estudar, pesquisar, escrever e tudo o que puder dar uma melhor condição para as nossas tarefas diárias.

Na captação de recursos não é diferente e estar preparado para ela demanda pesquisa, estudo, observação dos fatos, planejamento, conhecimento da área e das pessoas, definições de estratégias, etc. Complicado? Creio que não, principalmente quando você se permite realizar as tarefas de forma ordenada e calma, como forma de abranger o assunto em sua totalidade, focada na sua execução e resultados, ou seja, uma coisa de cada vez, porém, com foco e desejo de que tudo seja para o melhor.

Thinking business woman looking up on speech empty bubble isolated on white background

Em meus cursos, trabalho e contatos com as pessoas percebo na maioria da vezes a insegurança como um dos principais fatores de dificuldade na realização das tarefas, comprometendo o resultado que deseja-se atingir e na grande maioria das vezes percebe-se potenciais claros de entendimento dessas pessoas na realização daquelas tarefas, mesmo não possuindo o conhecimento do assunto. O que quero dizer é que nascemos, crescemos, somos educados através de padrões e comportamentos que nos levam a imaginar situações limitantes que nos impedem de prosseguir e no momento que nos deparamos com determinadas situações não colocamos o nosso conhecimento como forma de entender e buscar a melhor maneira de se preparar para realizá-lo e simplesmente não o realizamos pela insegurança de não estarmos preparados para elas. Vou dar um exemplo claro disso que estou falando: imagine alguém te pedindo para fazer o planejamento de alguma ação ou atividade. Quando não nos emponderamos dessa realidade, nos bloqueamos e não nos permitimos desenvolvê-la e a consequência será a dúvida e dificuldade na realização da tarefa. Neste caso, quando essas pessoas ouvem a palavra “planejamento” logo imaginam algo difícil de realizar e neste momento bloqueiam toda a sua capacidade.

Planejamos o tempo todo, desde o momento que acordamos até a hora em que vamos nos deitar para o descanso merecido e necessário. Quando estamos escrevendo nossas ações em nossas agendas, quando estamos decidindo que roupa vamos usar naquele dia, definindo qual a nossa rotina, etc., estamos planejando cada passo que pretendemos dar e fazemos tudo isso de uma forma muito natural.

Quando conseguimos aliar esta capacidade natural com a capacitação adquirida através de estudo e pesquisas, percebemos que tudo se torna mais leve e tranquilo em sua realização.

Na captação de recursos não é diferente e é necessária sua atenção, foco, pesquisa, estudos, entendimento e diagnósticos para iniciar seu planejamento e posteriormente sua execução. Quando estou conversando com pessoas em organizações, aulas e eventos, algumas das principais afirmações que eu ouço são: “Como captar recursos? Tudo é tão difícil! Não tenho pessoal capacitado! Não consigo fazer devido a falta de tempo!  E assim por diante….

Se perceberam, elas preferem colocar à frente suas inseguranças e medos na linha de frente, estabelecendo bloqueios para sua realização e ficam o tempo todo com dificuldades para obter recursos para seus projetos e infelizmente, em muitos casos, encerram as atividades devido a esta dificuldade.

Hoje estou apenas fazendo uma breve introdução dos fatos para seu entendimento. Nossos próximos artigos estarão sendo colocados aqui no site dando sequência neste assunto, com dicas importantes para que possam realizar suas tarefas nesta e em outras áreas de maneira mais natural e com excelentes resultados, se assim você se permitir.

Um detalhe importantíssimo neste processo: procure desenvolver sempre em conjunto com outras pessoas, pois é importante conhecer todas as expertises e conhecimentos que elas possuem para que o planejamento tenha maiores possibilidades de sucesso.

Group of multi racial business people looking up at copyspace

Um novo olhar…

Portanto, mude seu olhar, confie nos seus talentos e coloque todo o seu potencial para fora e transforme a você, o projetos, a organização, as pessoas envolvidas, a comunidade, etc., e possibilite a mudança .esperada por todos

Até o próximo artigo pessoal! Um ótimo final de semana a todos!

Estudo mostra que morar perto de árvores reduz casos de depressão


Alavanca Social e Instituto Sabedoria

“Juntos promovendo soluções e conhecimentos para seu sucesso!”

Olá pessoal

Vamos compartilhar hoje com vocês uma informação muito legal publicada na Redação Ciclo Vivo.

Pesquisa interessante feita no Reino Unido e com resultados muito bons para as pessoas.

Boa leitura!

Morar perto de arvores

Pesquisadores do Instituto de Medicina da Universidade de Exeter, no Reino Unido, desenvolveram um estudo que relaciona a arborização com a saúde mental. Segundo os especialistas, quanto mais árvores, menos quadros de depressão são identificados.

O estudo “Paisagem e Urbanismo” foi publicado na revista científica Science Direct. Os dados analisados pelos pesquisadores foram coletados em Londres, no período de 2009 a 2010. Entre as informações consideradas estão a quantidade de árvores nas proximidades das casas dos pacientes e as informações médicas acerca da saúde mental de cada um. Além disso, variáveis como as condições sociais, tabagismo e idade também entraram nas análises.

Para a pesquisa foram usadas apenas as informações sobre a quantidade de árvores na rua, na proximidade das residências. Os parques e outros espaços públicos de lazer não foram validados. A proposta era avaliar o impacto que a natureza em meio urbano pode ter sobre as pessoas.

Ao cruzar as informações, os pesquisadores identificaram: 40 árvores por quilômetro quadrado, com uma prescrição de antidepressivos que varia de 358 a 578 a cada mil pessoas. Nos locais com maior densidade de árvores, as taxas de prescrição médica para remédios antidepressivos foi menor.

De acordo com o estudo, para cada árvore adicional houve 1,38 menos prescrições para a população. Quando todas as variáveis foram consideradas, a redução foi um pouco menor, de 1,18.

Mesmo com números positivos, os pesquisadores não podem garantir que essa melhoria seja realmente causada pela quantidade de árvores. O que se estima é que locais com a paisagem mais verde estimulam as pessoas a praticarem mais atividades físicas, a interagirem com a comunidade, entre outras coisas que proporcionam maior saúde e bem-estar.

Redação CicloVivo

Pesquisa aponta que brasileiro confia mais na mídia e empresas do que em ONGs


Ongs-no-Brasil

Fonte: Rede Gots

A pesquisa Trust Barometer 2013, realizada pela Edelman Significa, aponta que no Brasil, entre os segmentos analisados, a mídia aparece como o mais crível (66%), seguido de empresas (64%), ONGs (59%) e, por último, o Governo (33%). A décima terceira edição do estudo, realizado com 31 mil pessoas, em 26 países, mostra um panorama de crise nas lideranças das principais instituições e maior ceticismo do público.

Globalmente, o que o estudo chama de confiança atribuída cresceu em todos os setores e as ONGs ainda ocupam a liderança histórica – desde 2007 são as mais críveis e neste ano ainda recuperaram posições, passando de 54% para 61%. As empresas estão em segundo lugar (56%), seguidas pela mídia (55%). O governo, a exemplo do Brasil, aparece como a instituição de menor prestígio e ocupa a última posição, com um índice de apenas 46%.

Na opinião do público informado brasileiro, o nível geral de confiança subiu ligeiramente em relação ao ano anterior, passando de 51% para 55%, e o país ocupa a 12º posição no ranking global, atrás de China (80%), Índia (71%) e México (68%).

Para o secretário-geral do GIFE, Andre Degenszajn, o lugar que as ONGs ocupam na percepção da sociedade brasileira é preocupante, mas não chega a surpreender. “Considerando o contexto de insegurança jurídica e crescente criminalização das ONGs (no Brasil), é esperado que o nível de confiança nessas organizações seja baixo. Mas o descolamento entre a sua finalidade — orientada pela defesa de interesses públicos e de grupos sociais — e a sua imagem deve levar a uma reflexão das próprias organizações sobre o seu papel e sobre como se comunicam com a sociedade em geral.”

Segundo o vice-presidente do Instituto Ethos, Paulo Itacarambi, os principais componentes que geram o valor das empresas em geral são intangíveis. “Dentre estes valores  de uma organização está a confiança, muito baseada na sustentabilidade e responsabilidade social que ela tem”. Paulo levanta alguns pontos da diferença entre o nível de confiança em ONGS no Mundo e no Brasil. Ele analisa que o Brasil ainda tem que desenvolver uma cultura de doação, para que as organizações estejam sempre a serviço do interesse público. “ Outro fator que influencia negativamente é a insegurança jurídica. É importante um marco regulatório para dar mais confiabilidade ao setor”.

Andre ressalta ainda a necessidade de uma maior transparência por parte das ONGS.” A ampliação da transparência de suas ações pode ser um forte instrumento para alterar esse cenário de baixa confiança.”
Crise de liderança
A análise da pesquisa deste ano aponta para uma crise de liderança em todas as instituições. Quando julgados por seus comportamentos éticos, aqueles que comandam empresas e governos enfrentam o ceticismo dos cidadãos. Segundo o CEO da Edelman Significa, Yacoff Sarkovas, a crise de liderança requer uma profunda revisão de valores por parte dos líderes. “Por isso, cabe às instituições não apenas mudarem suas formas de comunicar, mas de se comportar – propósito, valores e atitudes.”, afirma Sarkovas.

Unesco e governo do Japão oferecem bolsas de doutorado


O projeto de pesquisa será desenvolvido entre setembro de 2012 e dezembro de 2013. As inscrições deverão ser feitas até o dia 13 de janeiro de 2012.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em parceria com o governo do Japão, abriu inscrições para o Programa de Investigação em Doutorado. O tema a ser desenvolvido é Meio Ambiente, com foco em estudos relacionados à água.

O programa é voltado para estudantes que estão atualmente cursando um mestrado ou outro curso de pós-graduação. O candidato deve ter interesse em pesquisar temas de relevância para seu país de origem e não deve ter mais que 40 anos de idade.

Os selecionados realizarão pesquisas no exterior, de preferência em países de sua região. A Unesco dará prioridade aos candidatos de países em desenvolvimento, incluindo o Brasil.

O valor da bolsa pode variar de US$ 6 mil a US$ 10 mil, dependendo do tipo de pesquisa e do orçamento necessário. O estudante que tiver interesse em participar deve procurar a Divisão de Acordos e Assuntos Multilaterais Culturais do Itamaraty pelo e-mail damc@mre.gov.br

http://br.mc1118.mail.yahoo.com/mc/compose?to=damc@mre.gov.br

Mais informações: http://portal.unesco.org.

(Agência Fapesp)