Brasil sediará Conferência Global sobre Trabalho Infantil


logo child global

 

Olá pessoal!

Se existe um assunto que procuro acompanhar é sobre crianças e adolescentes.

Tenho a plena convicção de que elas, por serem os donos do amanhã, devem e merecem ser protegidas e tratadas com todo o respeito e carinho, devendo os governos, empresas e pessoas em geral, fazer de tudo para evitar ainda determinadas barbáries que fazem com elas.  É inadmissível que ainda aconteçam fatos horríveis que, às vezes, prejudicam suas possibilidades de vida e em muitos casos, interrompem seu crescimento saudável e feliz, como devem ser para todos! Um destas barbáries é o uso da criança através do trabalho infantil, que contraria fortemente o Estatuto da Criança e do Adolescente no Brasil e também em outros países.

Existem hoje muitas organizações e pessoas que realizam ações em prol desta luta e uma delas é Organização Internacional do Trabalho – OIT que, juntamente com muitos países, realizam magnífico trabalho para a erradicação desta e outras práticas contra crianças e adolescentes.

Vejam a seguir uma chamada para o evento:

III Conferência Global sobre Trabalho Infantil

Conheçam mais sobre este programa mundial:

BRASÍLIA (Notícias da OIT) – O Brasil será a sede da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, que será realizada em outubro de 2013, em Brasília. A presidenta Dilma Rousseff, juntamente com os ministros de Relações Exteriores, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e do Trabalho e Emprego, assinou decreto no dia 14 convocando a Conferência. O Decreto foi publicado no Diário Oficial da União e estabelece os objetivos, a estrutura organizadora e as disposições orçamentárias do evento.
“Com a assinatura do Decreto, o Brasil reitera seu compromisso junto à comunidade internacional em eliminar as piores formas de trabalho infantil e convida governos, organizações de empregadores, de trabalhadores e a sociedade civil a se mobilizarem para reacelerar o ritmo de redução do trabalho infantil, de acordo com o Roteiro estabelecido na II Conferência Global de Haia, em 2010”, disse o coordenador nacional do Programa Internacional para Eliminação do Trabalho Infantil, da OIT, Renato Mendes.
A sugestão para o Brasil sediar a Conferência Global sobre o Trabalho Infantil em 2013 foi feita pelo ministro do Desenvolvimento Social e Trabalho da Holanda, Piet Hein Donner,  no encerramento da 2ª. Conferência sobre o tema, realizada em Haia, na Holanda.
O ministro holandês elencou três motivos que o levaram a fazer a proposta: “Os esforços que o Brasil tem feito para erradicar o trabalho infantil, o envolvimento do país depois do encontro do G20 e, finalmente, porque acho que estamos entrando numa era onde conferências sobre o tema não devem mais ser baseadas na Europa, devem ser baseadas nos países que enfrentam este problema”.
As Conferências não possuem periodicidade: a primeira foi realizada em 1997 e a segunda em 2010, ambas na Holanda. O convite foi formulado porque os organizadores do evento consideram importante e necessário um novo encontro antes de 2016, quando os países se comprometeram a erradicar as piores formas de combate ao trabalho infantil. O convite foi feito na presença de 80 representantes de organizações de trabalhadores, 80 de organizações de empregadores e de 80 governos de países diferentes.
O convite formulado ao Brasil também é um reconhecimento da atuação do país no combate ao trabalho infantil e na implantação de uma rede de proteção social para diminuir a pobreza e a desigualdade social.
O relatório final da Conferência de 2010 aponta os rumos que devem ser adotados pelos governos, organizações internacionais regionais, parceiros sociais e ONGS.
O documento inclui propostas para que os governos invistam recursos no combate ao trabalho infantil, implementem estratégias, políticas e programas que ofereçam acesso a serviços sociais; protejam famílias e crianças com uma rede de proteção social, como programas de transferência de renda. Além disto, propõe que organismos internacionais mobilizem recursos financeiros – sugestão dada pela delegação brasileira – e que seja criado um grupo de Líderes Globais contra o Trabalho Infantil, com publicação de um relatório anual para acompanhamento do problema.

Fonte: http://www.oit.org.br/node/859

Façam também uma visita no site http://childlabour2013.org/?lang=pt-br e vejam o que está acontecendo neste projeto em várias partes do mundo!

 

Alavanca Social ministrará workshop em Maceió-AL


Olá a todos!

Mais uma etapa da parceria com a Associação Telecentro de Informação e Negócios – ATN.

Nesta oportunidade, a cidade escolhida para a realização do workshop BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS foi Maceió-AL. Como todos sabem, o evento está direcionado para as organizações sociais daquela região e tem como principal objetivo, fomentar práticas de planejamento, gestão, captação de recursos, entre outros, além de permitir uma integração dos participantes através da Rede Colaborativa IBM Connections, após o evento.

O evento acontecerá em 04/06/2013 e contará também com a presença da IBM, idealizadora deste projeto, o qual é organizado e coordenado pela ATN.

Vejam a seguir a chamada para o evento:

Convite Workshop Maceió

Alavanca Social ministrará Workshop em Macaé-RJ


Olá pessoal,

Mais uma vez, através da parceria com a Associação Telecentros de Informação e Negócios, a Alavanca Social ministrará o Workshop BOAS PRÁTICAS NAS GESTÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS. Desta vez, a cidade escolhida será Macaé-RJ e o evento acontecerá em 07/05/13.

Contaremos também com apoio da Escola Sentrinho que disponibilizará o espaço e da AME – Associação de Mulheres Empreendedoras.

O encontro contará com a presença de representantes de Organizações Sociais daquela região que darão um toque especial durante todo o dia.

O conteúdo do evento serão assuntos relacionados à Gestão, Organização, Planejamento, Captação de Recursos e outros, tão importantes na condução de uma organização do Terceiro Setor.

Juntamente conosco estarão presentes também representantes da ATN e IBM, os quais transmitirão informações importantes sobre o IBM Connections.

Desde já a Alavanca Social dá boas vindas a todos!

Vejam a seguir a chamada para o evento:

Convite evento de Macaé-RJ

Alavanca Social ministra curso do Terceiro Setor na FespSP


(Faça já sua inscrição! Não perca esta oportunidade!)

A Alavanca Social, em parceria com a FESP-SP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo) ministrará um curso voltado ao Terceiro Setor, o qual transmite e compartilha conhecimentos importantes para a mudança de conceitos e uma visão diferenciada sobre o tema profissionalização. O curso, através do conteúdo e diálogo, reforçará a importância da preparação individual e coletiva em organizações sociais como forma de atingir objetivos.

Imperdível! Não perca a oportunidade!

Vejam a seguir a chamada para o curso:

 

(Faça já sua inscrição! Não perca esta oportunidade!)

Mais informações acesse: http://www.fespsp.org.br/extensao/socpol_terceiro.html

Convite Curso de GESTÃO SOCIAL: A ORGANIZAÇÃO COMO FERRAMENTA DE SUCESSO NO TERCEIRO SETOR


  

A Alavanca Social, em parceria com o Centro Universitário Padre Anchieta – Unianchieta em Jundiaí, estará ministrando o curso de extensão:  GESTÃO SOCIAL: A ORGANIZAÇÃO COMO FERRAMENTA DE SUCESSO NO TERCEIRO SETOR, o qual procura transmitir melhores práticas de Gestão nesta área, bem como alguns modelos que podem ser utilizados nas ações em Organizações sem Fins Lucrativos.

Uma ótima oportunidade para quem deseja ampliar a visão em áreas de gestão.

Acesse www.anchieta.br e faça sua inscrição! Ainda com vagas disponíveis!

Veja a seguir a chamada para o curso:

Veja mais informações:

CURSO DE EXTENSÃO
Multidisciplinar
Nome do curso:
Gestão Social: A Organização como ferramenta de sucesso no terceiro setor
Área relacionada:
Todas as áreas de conhecimento com ênfase em terceiro setor
Objetivo:
Demonstrar a importância da Gestão na Realização de todos os processos dentro das Organizações Sem fins Lucrativos.
Público-Alvo:
Gestores, Profissionais do 3° Setor, Colaboradores de Organizações do 3° setor e pessoas interessadas no tema.
Docente:
Prof. Esp. Marcelo Rachid de Paula
Carga Horária:
12h (3 períodos de 4 horas)
Período de Realização: 19 e 26 de maio de 2012 (sábados)
02 de junho de 2012
Horários: 08h às 12h
Investimento: R$ 89,00
Local:
Campus Prof. Pedro Fornari
Informações:
(11) 4527-3444 Ramais: 4492 e 4509
E-mail: extensao@anchieta.br

Não perca esta oportunidade!  INSCREVA-SE!!!

Alavanca Social define novas ações para 2012


Olá a todos os Colaboradores, Clientes, Parceiros e alunos!

A Alavanca Social, devido à crescente demanda em algumas de suas áreas, como forma de se ajustar a estas novas realidades, que visam oferecer um atendimento cada vez melhor, informa que a partir desta data, estará focando suas principais ações nas áreas de Treinamento, Comunicação Visual, Consultoria e Projetos, sendo priorizadas nesta ordem.

Vejam a seguir um breve resumo de cada uma destas áreas:

  • Treinamento: Envolve a área Instituto Sabedoria e oferece cursos de Extensão e Cursos Livres de Curta Duração, seja na área do Terceiro Setor, de responsabilidade da Alavanca Social, bem como nos principais setores da economia, que será desenvolvido e realizado através de nossos parceiros.

 

  • Comunicação Visual: Envolve a área R2 Creative, a qual é responsável por atender nossos clientes e parceiros na Criação e Desenvolvimento de Apresentações (carro chefe de ações nesta área), com um trabalho de excelentes resultados para nossos clientes, bem como atividades relacionadas à Design Gráfico, Quadrinhos, Ilustração, etc.
  • Consultoria: Esta atividade será realizada de forma pontual, quando assim for solicitado e envolverá ações nas áreas de Gestão, Organização, Captação de Recursos no Terceiro Setor e desenvolvimento de Eventos relacionados a este setor da economia através de workshops, seminários e palestras.
  • Projetos: Será igualmente realizada de forma pontual e envolve ações que facilitarão a  Elaboração de Projetos e visa proporcionar meios para que nossos clientes consigam atingir seus objetivos através de projetos estruturados dentro de cada realidade.
  • Responsabilidade Social: Estas ações continuarão a ser desenvolvidas no formato de 2011 (alguns ajustes), com destaque para o projeto Palestras Acadêmicas (palestras gratuitas em Instituições de Ensino), o fornecimento de informações básicas através de postagens em nosso site, boletins eletrônicos, informativos, etc., com o objetivo de colaborar com as pessoas em suas dúvidas diárias e divulgação de ações de Organizações Sociais e parceiros em nosso site e também via e-mail. Outra ação ainda a ser desenvolvida trata-se do projeto Biblioteca Social, que disponibilizará a todos, e-books e apostilas com informações básicas, e visam orientar e servir de parâmetro em suas necessidades.
  • Projetos Futuros: Envolverá ações que colaborarão com nossos clientes e parceiros através do projeto Dossiê Alavanca (informações compiladas e direcionadas para as mais diversas soluções dentro do Terceiro Setor), num formato organizado e orientativo.

Cada uma destas áreas está sendo revista e serão planejadas para que tenham todas as condições de ampliar o poder de atendimento, bem como a excelência nos resultados que se mostraram satisfatórios em 2011. Nosso principal objetivo é ampliar estes índices e proporcionar melhores resultados para todos os envolvidos neste ano.

Aguardem a atualização com todas as informações e detalhes em nossos sites em breve!

Sejam bem vindos à Alavanca Social!

 

Como criar um negócio social?


Fonte: http://exame.abril.com.br/

O tempo em que a etiqueta “sem fins lucrativos” vinha necessariamente atrelada a uma operação com propósitos sociais ficou para trás. Hoje, as organizações que querem contribuir para a construção de um mundo melhor podem fazê-lo sem abrir mão de gerar receita e operar dentro das melhores práticas de gestão e eficiência do mercado.

Os “negócios sociais” começam a se consolidar como uma opção para quem quer empreender e, ao mesmo tempo, gerar impacto social. “É usar o potencial empreendedor para resolver questões de qualidade de vida de populações mais vulneráveis”, explica Maure Pessanha, diretora executiva do Centro de Formações em Negócios Sociais da Artemisia, aceleradora de negócios sociais.

Entre os exemplos de iniciativas neste modelo estão negócios voltados a consumidores de classes C, D e E, como serviços de saúde e educação a baixo custo. “Tem que gerar receita, mas tem que resolver um problema social”, resume Rodrigo de Méllo Brito,
co-fundador e diretor executive da Aliança Empreendedora.

Confira a seguir algumas dicas dos especialistas para criar um negócio social:

Pesquise o público-alvo

Para ser relevante, um negócio social precisa atender às necessidades reais do seu público. Isso exige um contato muito próximo com os consumidores dos produtos e serviços a serem oferecidos.

Não presuma que uma demanda existe – busque verificar através de pesquisas e contatos constantes com os usuários exatamente o que eles querem. “É preciso entender muito bem do problema para poder traçar a estratégia de trás para a frente. Quanto o cliente está disposto a pagar pelo produto? Que tipo de meio de pagamento ele tem à disposição? É respondendo a essas perguntas que você poderá chegar a uma oferta ideal”, detalha Brito.

Ao lidar com um público de menor patamar de renda, um erro fatal é ter uma postura paternalista ou condescendente. Como em qualquer negócio, o consumidor deve vir em primeiro lugar. “É preciso deixar a arrogância de lado e ouvir o que o cliente tem a dizer”, ele acrescenta.

Encontre um modelo de negócio

Não há um consenso a respeito da constituição jurídica ideal para este tipo de negócio. Muitos nascem a partir de iniciativas de ONGs que precisam de recursos para se autofinanciar. Mas, cada vez mais, tornam-se comuns projetos que já nascem como negócios sociais. Neste caso, é importante pensar desde o início em um modelo que permita que o negócio seja autossustentável – se não a curto prazo, pelo menos em um futuro não muito distante.

“O capital inicial para começar um negócio pode vir de várias fontes, inclusive doações. O que não pode acontecer é contar doação como faturamento, isso é uma ilusão. No longo prazo, é preciso gerar receita”, destaca Maure. Os modelos de negócios são variados. Algumas empresas faturam com a venda dos próprios produtos e serviços oferecidos. Em outros casos, treinamentos e consultoria podem entrar como uma fonte de receita para sustentar um atendimento gratuito ao público.

Faça um bom plano de negócios

Como qualquer negócio que almeja o sucesso, um negócio social deve ter um plano de negócios, o documento que vai detalhar e traduzir em números qual será a oferta da empresa, o mercado em que ela vai atuar, seus concorrentes e projeções de ganhos e gastos potenciais. “O negócio social tem que ser, antes de tudo, um bom negócio, muito bem estruturado e administrado”, destaca Maure. Além de ajudar na hora de buscar recursos, este documento será útil na gestão do dia-a-dia do negócio.

Conduza um piloto

Para fazer os ajustes finos necessários no projeto e mostrar a potenciais investidores que a ideia é boa, fazer um piloto é um caminho interessante. “Teste o seu mercado assim que possível e veja se o produto tem valor para a comunidade”, recomenda Maure.

Busque recursos

A oferta de capital para negócios sociais vêm crescendo no Brasil. Fundos internacionais e até brasileiros, como a Voz Capital e a Sitawi, injetam recursos em projetos promissores em troca de uma fatia do negócio. Como muitos negócios sociais ainda nascem a partir de um modelo híbrido – ONGs que acabam migrando para o setor 2,5 gradativamente, em busca de sustentabilidade –, também é possível captar recursos tradicionalmente disponíveis para o terceiro setor, como verbas de institutos e fundos sociais de empresas. Outra opção é ir atrás de recursos dos programas de subvenção econômica governamentais.

Tenha paixão e perseverança

Um negócio social algumas vezes leva mais tempo para decolar que um negócio tradicional, por isso é fundamental que o empreendedor acredite muito na ideia e tenha persistência. “É importante ter uma visão, uma consciência do impacto do negócio”, diz Maure. Embora, no longo prazo, a remuneração de um executivo responsável por um negócio social possa se equiparar aos valores de mercado, assim como em qualquer empreendimento, e empreendedor terá que apertar o cinto até que o negócio se consolide. “Mesmo negócios tradicionais levam anos para ter escala. É preciso ter paciência”, aconselha Britto.  “A boa notícia é que até o investidor está disposto a esperar mais e ganhar menos, porque investe pelo impacto social”, conclui.