Austrália abre supermercado gratuito apenas com produtos que seriam descartados


Olá pessoal,

Compartilhando com  vocês uma notícia publicada no site ciclovivo.com.br e que foi também compartilhada por Franciscas Moraes no Twitter (@fmoraes1963).

Ideia fantástica, que, se adotada em todos os países do mundo, reduziria significativamente a fome que teima em estar presente em toda parte, apesar de produções fantásticas de alimentos em diversos países, como o Brasil, que é líder na produção de alimentos, com uma agropecuária forte, mas com um desperdício e modelo de distribuição muito aquém do que poderia estar presente para as populações carentes. Como diz o velho ditado: “Em casa de ferreiro o espeto é de pau”.

Independente destas questões, é muito legal ver na Austrália e alguns países encontrando soluções para evitar o desperdício e principalmente suprir as necessidades de pessoas menos favorecidas. Não tenho conhecimentos de que no Brasil exista um projeto como esse, mas se não tem, já passou da hora de iniciar um modelo semelhante em todos cantos do país. E nestas horas fico fazendo um paralelo entre o momento atual do Brasil, com uma crise enorme nas áreas político/institucional, com bilhões sendo desviados para interesse de poucos, que poderiam ser utilizados para projetos como esse e outros também importantes que não acontecem por pura falta de recursos. Oxalá tudo se encaminhe para isso no mais breve tempo. Leiam a seguir a matéria. Boa leitura e reflexões:

Austrália abre supermercado gratuito apenas com produtos que seriam descartados

O mercado é baseado no modelo “Pegue o que precisa, dê o que puder.”
Tudo é gratuito para aqueles que não podem pagar por isso, ou é possível doar a quantia que a pessoa desejar. Foto: Divulgação/OzHarvest

Seguindo uma tendência de outros países do mundo, a Austrália ganhou se primeiro supermercado com produtos rejeitados por supermercados, restaurantes e pelos próprios clientes. Criado pela OzHarvest, ONG de combate ao desperdício de alimento, no novo mercado as cenouras antigas e alimentos enlatados com data de validade por vencer, ou recém-vencidos, são tratados com respeito e dignidade. Tomates maduros, que seriam jogados no lixo, são empilhados com orgulho.

A mercearia teste, localizada em Sidney, vai além dos rótulos de venda e uso para lidar com o desperdício de alimentos e seu impacto no meio ambiente e para combater a fome. Tudo é gratuito para aqueles que não podem pagar por isso. Ou é possível doar a quantia que a pessoa desejar.

A loja armazena uma gama de produtos, incluindo frutas e legumes frescos, pães, conservas, refeições congeladas, bebidas, e produtos de higiene pessoal e de limpeza. As prateleiras serão semanalmente modificadas, dependendo do que for recuperado. Os clientes são incentivados a doar qualquer coisa que eles não queiram mais.

O desperdício de alimentos na Austrália custa cerca de US $ 20 bilhões por ano. Os consumidores australianos desperdiçam vinte por cento dos alimentos comprados e jogam fora uma em cada cinco cestas de compras de alimentos todos os anos. Quatro milhões de toneladas de alimentos acabam em aterros sanitários, onde se decompõem e acabam emitindo metano, um potente gás de efeito estufa.

O empresária australiana atrás do OzHarvest, Ronni Kahn, acredita que este supermercado é um passo na direção certa. “Toda vez que salvamos comida boa, ajudamos o planeta. Cada vez que usamos esse alimento para a alimentação de pessoas famintas, lidamos com questões sociais”, diz Kahn em entrevista à revista Broadsheet.

Ronni Kahn, a idealizadora do projeto | Foto: Divulgação/OzHarvest

O OzHarvest trabalha com mais de 2.500 doadores de alimentos. “Nós resgatamos alimentos que não podem ser vendidos por supermercados e varejistas de alimentos pelo seu prazo de validade, mas que ainda estão perfeitamente bons para o consumo”, diz Kahn. “Se algo expirou, isso não é motivo para jogá-lo fora.” “Só resgatamos comida que seja absolutamente comestível. Estamos mostrando aos nossos consumidores como é loucura que este produto tenha sido rejeitado”, diz ela. “Todos os nossos motoristas são treinados no manuseio, eles não aceitam nenhum produto que eles mesmo não comeriam.”

A maioria dos produtos são produtos considerados com “defeitos” como enlatados amassados ou frutas e legumes com alguns “hematomas”, que acabam indo parar no lixo. “Tudo o que fazemos não é sobre lucro, é sobre propósito”, diz Kahn.

“As pessoas vão entrar e dizer: ‘Uau, isso é exatamente o que eu iria comprar em qualquer lugar, e agora eu posso apenas levá-lo, usá-lo, ou dar para alguém”.

Khan diz que a OzHarvest planeja abrir outros estabelecimentos, tanto em Sidney como em todo o país. “Acreditamos totalmente que isso será um catalisador para outros desenvolvedores imobiliários. Temos a capacidade de levá-lo ao redor do país, se todas as forças se unirem. Este é um modelo duplicável.”

 

Saiba mais sobre o projeto na página deles no Facebook

###


Programa de Treinamento Alavanca Social e Instituto Sabedoria

Faça a pré-inscrição!


Palestras Acadêmicas

Programa de palestras gratuitas em Instituições de Ensino!


R2 Creative

Criação de Apresentações Profissionais, Pessoais e Acadêmicas!

A imagem e comunicação de sua Organização em destaque!


 

 

 

 

 

 

Anúncios

Inclusão no mercado de transportes


Empresas de ônibus oferecem curso gratuito para deficientes físicos e auditivos
As inscrições vão até o dia 15 de junho e os participantes terão o currículo divulgado no mercado de trabalho.

Incluir um portador de deficiência física no dia a dia não é apenas oferecer rampas nas calçadas, transporte público com equipamentos como elevador ou piso baixo, sinais de trânsito especiais ou dispensar um errôneo tratamento com dó ou piedade.
O portador de limitações, apesar de estar ciente que em muitos casos precisa de um tratamento diferenciado, não quer ser tratado como um outro tipo de cidadão. Afinal, isso não seria inclusão.
Ele quer e tem o direito a transitar pela cidade, estudar, trabalhar, sentir-se produtivo.
Em várias funções, o portador de necessidade especial é tão produtivo quanto um outro cidadão que não possui nenhuma limitação física ou audiovisual.
O que faltam mesmo são oportunidades, principalmente de trabalho.
E trabalhar deixa o cidadão com a sensação de dignidade, o que as pessoas com deficiência têm direito.
Vários órgãos, instituições e empresas tomam atitudes não só de auxílio mas acima de tudo de capacitação.
É o que vão realizar várias empresas de ônibus pelo SETPESP – Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de São Paulo em parceria com o STERIIISP- Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Ônibus Rodoviários Internacionais, Interestaduais, Intermunicipais e setor diferenciado de São Paulo, Itapecerica da Serra, São Lourenço da Serra, Embu-Guaçu, Ferraz de Vasconcelos, Poá e Itaquaquecetuba, sob a orientação do Instituto Cultural de Integração, Desenvolvimento e Cidadania – Grupo O Resgate.
Até o dia 15 de junho podem ser realizadas inscrições para o Curso de Capacitação para a inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho.
O curso é de graça e pode representar a oportunidade que muita gente sonha.
Podem participar pessoas com deficiência física, mobilidade reduzida ou deficiência auditiva que já tenham completado o ensino fundamental.
As aulas têm o objetivo de oferecer maior capacidade profissional para estas pessoas entrarem no mercado de trabalho, em especial no setor de transportes.
O curso tem sete módulos distribuídos em oito dias e a carga horária diária é de 5 horas a 6 horas.
Entre os temas abordados estão:
• Atendimento ao cliente
• .Educação Financeira
• Redação empresarial
• Qualidade de vida no trabalho
• Inclusão Digital
• Comunicação
• Operação e funcionamento das empresas que atuam no setor rodoviário de passageiros.

PARTICIPANTES PODEM SAIR COM EMPREGO:

Participar do curso pode ser a vez tão desejada para quem possui necessidade especial mas quer trabalhar. Isso porque após a conclusão dos estudos, os freqüentadores vão receber uma certificação que comprova a participação, terão os currículos divulgados no mercado de trabalho e podem conseguir emprego nas viações participantes, caso haja disponibilidade de vagas.
Entre as empresas participantes estão:
• Metra – Sistema Metropolitano de Transportes Ltda
• Viação Cometa
• Translitoral
• Reunidas Paulista
• Pássaro Marron

O curso tem início no dia 27 de junho e termina no dia 05 de julho de 2011.
O local é no Instituto Resgate que fica na Rua da Abolição, 117, Bela Vista – São Paulo/SP, perto da Câmara Municipal de São Paulo.

INSCRIÇÕES:

As inscrições que são gratuitas devem ser feitas até o dia 15 de junho pelos seguintes endereços eletrônicos:
matriculas@metra.com.br
elaine.nakashima@viacaocometa.com.br
rhselecao@translitoral.com.br
lmoliveira@reunidaspaulista.com.br
noliveira@passaromarron.com.br

Empresas modernas, cada vez mais estão preocupadas não apenas no exercício puro de suas atividades, mas com seu papel social e ambiental.
Incluir o portador de deficiência no mercado de trabalho é um ato de cidadania, respeito e amor ao próximo.
O setor de transportes, por meio de órgãos como o SETPESP, estacada vez mais engajado em causas como estas, o que prova evolução do ramo.
Muitas das empresas que vão promover este curso já possuem pessoas com necessidades especiais em seus quadros e garantem que os trabalhos são realizados com excelência.

 

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes, repórter da Rádio CBN.