Conheça este maravilhoso e corajoso Projeto – Escola Primária Kabiria


escola primária Kabíria

Olá pessoal,

Tenho atuações mais diretas como profissional e voluntário no terceiro setor desde 2007, quando resolvi migrar para uma área recheada de situações especiais, e a partir daí a dedicação foi total.

Hoje quero compartilhar com vocês sobre um projeto criado em Nairobi (Quênia) por Munike Avila em 2013 e que proporciona alegria, alento e esperança para as futuras gerações envolvidas. Falo do projeto ESCOLA PRIMÁRIA KABIRIA, que educa crianças e adolescentes e trabalha no sentido de transformar suas vidas de forma simples, porém, amorosa e com muita dedicação. Quando vejo um projeto desses não deixo de me emocionar, porque as crianças são os donos do amanhã e cabe a nós educá-los e prepará-los para a realidade que irão encontrar e poderem transformar o meio através do aprendizado, respeito, amor e carinho que receberam na infância, tendo a condição de modificar suas vidas e de todos ao redor de forma positiva.

Bom, poderia ficar falando deste assunto por muito tempo, mas o objetivo desta publicação é falarmos da escola. Leiam e conheçam este maravilhoso projeto e se encantem com as crianças e as pessoas envolvidas. Convido inicialmente a assistirem os vídeos para visualizarem e sentirem a alegria das crianças que participam do projeto:

Acessem https://www.facebook.com/escolakabiria/videos

Para conhecerem mais detalhes do projeto convido você a baixar este conteúdo:

ESCOLA PRIMARIA KABIRIA

Para pessoas, empresários e organizações que desejem ajudar na manutenção do projeto favor entrar em contato com: escolakabiria@gmail.com   –  www.facebook.com/escolakabiria

Veja algumas fotos:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Brasil precisa construir 64 mil bibliotecas escolares até 2020 para cumprir meta


Imagem ilustrativa da biblioteca pública de Stutgart na Alemnha.

Modelo moderno para Bibliotecas – Imagem ilustrativa.

Olá pessoal, especialmente aqueles formados em Biblioteconomia ou então aqueles que estão cursando.

Vejam a seguir uma notícia interessante para vocês:

Escrito por  Thais Mendes Iannarelli do Instituto Filantropia

O Brasil precisa construir mais de 64,3 mil bibliotecas em escolas públicas até 2020 para cumprir a meta de universalizar esses espaços, prevista na Lei 12.244. A legislação, sancionada em 24 de maio de 2010, obriga todos os gestores a providenciarem um acervo de, no mínimo, um livro para cada aluno matriculado, tanto na rede pública quanto privada. A cinco anos do fim do prazo, 53% das 120,5 mil escolas públicas do país não têm biblioteca ou sala de leitura. A contar de hoje, seria necessário levantar e equipar mais de 1 mil bibliotecas por mês para cumprir a lei.

O levantamento foi feito pelo portal Qedu, da Fundação Lemann, com base em dados do Censo Escolar 2014 – levantamento anual feito em todas as escolas do país. Esses são os últimos números disponíveis e trazem informações tanto de instituições de ensino fundamental quanto de ensino médio.

Os dados mostram grande disparidade regional na oferta de bibliotecas escolares. Enquanto na Região Sul 77,6% das escolas públicas têm biblioteca, na Norte apenas 26,7% das escolas têm o equipamento e na Nordeste, 30,4%. No Sudeste, esse índice é 71,1% e no Centro-Oeste, 63,6%.

O Maranhão é o estado com menor índice de bibliotecas escolares – apenas 15,1% das escolas tem o equipamento – seguido pelo Acre (20,4%) e pelo Amazonas (20,6%). Na outra ponta do ranking, estão o Distrito Federal (90,9%), o Rio Grande do Sul (83,7%) e o Rio de Janeiro (79,4%).

De acordo com o levantamento, também há diferenças na oferta de bibliotecas entre as escolas de ensino médio e fundamental. Em melhor situação, 86,9% das escolas públicas de ensino médio públicas têm bibliotecas ou salas de leitura. No ensino fundamental, entretanto, o índice cai para 45%.

O coordenador de projetos da Fundação Lemann, Ernesto Martins Faria, explicou que, na edição de 2014, o Ministério da Educação (MEC), responsável pelo Censo Escolar, juntou os dados de sala de leitura e bibliotecas, ao passo que, em anos anteriores, esses números eram descritos de forma separada. Por esse motivo, não é possível comparar a evolução dos dados com anos anteriores.

Para a diretora de educação e cultura do Instituto Ecofuturo, Christine Fontelles, faltam recursos para todas as áreas da educação e, por esse motivo, a leitura não costuma estar entre as prioridades dos gestores. Coordenadora do projeto Eu Quero Minha Biblioteca, que ajuda professores, diretores, pais e alunos a requisitar e implantar bibliotecas nas escolas, ela ajuda na articulação com as secretarias de Educação e o MEC.
Para o presidente do Instituto Pró-Livro, Antônio Luiz Rios, uma biblioteca na escola contribui para a formação literária, melhora a escrita, o vocabulário e é fundamental para a formação do cidadão.

De acordo com a pesquisa Retrato da Leitura no Brasil 2012, feita pelo Instituto Pró-Livro, as bibliotecas escolares estão à frente de qualquer outra forma de acesso ao livro para crianças e adolescentes de 5 a 17 anos.

O Ministério da Educação informou que a instalação de bibliotecas é uma responsabilidade das escolas. De acordo com a assessoria da pasta, as instituições de ensino públicas recebem recursos federais para investimento em estrutura e cabe à escola decidir como gastar esse dinheiro.


Fonte: Agência Brasil

____________________________________

Aproveitando a matéria, quero compartilhar com vocês uma imagem da biblioteca pública de Stuttgart, na Alemanha.

stuttgart-city-library-interior

Imagem ilustrativa.

______________________________________

Esteja preparado para vagas de trabalho! 

Acesse nossa área de cursos: INSTITUTO SABEDORIA

Participe de nossos cursos nas áreas de criação de Organizações Sociais, Planejamento, Gestão, Captação de Recursos, Organização, Profissionalização e Voluntariado.

O que você está esperando?

____________________________________

Uma breve homenagem aos professores


Olá pessoal!

Fazer comentários ou falar sobre professores, é para mim uma tarefa muito fácil.

Apesar de não ter feito cursos de pedagogia ou preparação similar, a partir dos meus 50 anos Deus e a vida me impulsionou nesta direção, me apresentando a esta prática maravilhosa praticada por milhões de pessoas pelo mundo todo, levando conhecimentos, compartilhando informações e colocando toda a sua experiência na formação de pessoas, sempre com o objetivo de torná-las mais capazes de realizarem seus sonhos e desejos de forma mais segura e tranquila.

Aprendi a amar esta profissão e mesmo tendo me especializado em uma área específica, pude agregar a minha experiência e vivências nesta área, me permitindo compartilhar com as pessoas, o meu saber e possibilitando o seu crescimento e oferecendo novas opções para escolhas e decisões em suas vidas.

Oxalá Deus me permita continuar nesta atividade!

UM ÓTIMO DIA PARA TODOS OS PROFESSORES DO MUNDO!

dia-dos-professores2

Garoto de 12 anos cria Organização e entrega mais de 400 bicicletas para crianças da Índia


Além de doar as bicicletas, ele ensina as crianças a usá-las.

Além de doar as bicicletas, ele ensina as crianças a usá-las.

Quando visitou a Índia pela primeira vez, na companhia do pai, que ali trabalha, Thomas Hircock tinha apenas 12 anos. No entanto, a tenra idade não impediu o jovem norte-americano de ficar chocado com a pobreza que afeta muitas famílias (e crianças) daquele país e foi assim que nasceu o Bike Club, projeto sem fins lucrativos que doa bicicletas aos meninos e meninas indianas para lhes permitir ir à escola.
“As condições de vida lá são muito diferentes para as crianças da minha idade. Se eu vivesse lá, provavelmente trabalharia numa fábrica, não teria educação”, sublinha o jovem em entrevista à BBC, acrescentando que, ao deparar-se com aquela realidade, quis tentar perceber o que poderia fazer para ajudar, perguntando às crianças do que precisavam.
A resposta foi, numa primeira análise, surpreendente. “Bicicletas”. Mas não tardou até que Thomas Hircock a compreendesse. “Bicicletas? Bicicletas porquê? Porque é a forma de chegar à escola”, explica o mentor do projeto, que, em conjunto com a família, tem trabalhado para facilitar a vida de jovens como ele próprio que percorrem quilómetros a pé para ter aulas.
Quando regressou a Filadélfia, a sua cidade natal, o rapaz norte-americano lançou uma campanha de angariação de fundos na escola para reunir dinheiro para doar as bicicletas desejadas às crianças da Índia, na sua maioria pobres e muitas delas pertencentes a castas inferiores.Acesso a transporte é acesso à educação

“Da primeira vez conseguimos juntar dinheiro para oito bicicletas”, recorda Hircock. “Foi a primeira vez que fiz algo do género. Fiquei admirado e eles também ficaram, por terem pessoas a ajudá-los”, confessa o jovem que, com a colaboração da comunidade, conseguiu já entregar 400 bicicletas em locais que “não são os mais seguros”, mas são aqueles “onde as crianças mais precisam”.
Além de transporte, estas doações significam, para centenas de meninos e meninas, acesso à educação. Mas, antes de chegar à escola, têm, habitualmente, outra lição a aprender. “Às vezes, quando entregamos as bicicletas, eles não sabem andar”, revela o benfeitor norte-americano que, da última vez que esteve na Índia, ensinou várias crianças a pedalar. “Foi muito divertido”, partilha.
A experiência tem sido muito bem-sucedida e o próprio Thomas Hircock admite que tem aprendido muito, nomeadamente que um simples meio de transporte pode ser revolucionário. “Dar uma bicicleta a estas crianças é torná-las mais fortes, é dar-lhes poder. É uma coisa incrível de se fazer”, conclui.

Convite para Curso de Gestão Cultural na Fesp-SP – Faça já sua inscrição e reserve sua participação!


Olá pessoal,

A Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo – Fesp, sempre preocupada em oferecer os melhores conteúdos e informações para a capacitação das pessoas, está convidando a todos para participarem do Curso INTRODUÇÃO À GESTÃO CULTURAL.

O curso é o 1º Módulo de três que compõem o tema Gestão Cultural. Introduz conteúdos básicos e técnicas que permeiam o trabalho de um gestor cultural. Sua estrutura desenvolve-se sob três campos do conhecimento: arte educação, comunicação e o da informação, os quais estão distribuídos em cinco temas. Finaliza com a pontuação de conceitos básicos para a elaboração de um plano de ação cultural.

Para aqueles que já tem atuações nesta área e desejam se aprimorar em alguns contextos, podem estar escolhendo qual módulo participar, focando apenas na sua necessidade. Para aqueles que desejam conhecer e atuar nesta área, sugerimos fazer os 3 módulos

Este curso foi idealizado por um grupo de docentes excelentes, todos especialistas em suas áreas de ação e atualizados nos principais contextos culturais existentes no país, facilitando o entendimento dos aspectos que envolvem a Gestão Cultural.

A Alavanca Social, através de Marcelo Rachid de Paula estará responsável para a aula sobre Captação de Recursos.

Para alunos da Fesp são concedidos descontos especiais. Para ex-alunos, instituições conveniadas e funcionários da prefeitura e dependentes também é concedido ótimo desconto.

Para conhecerem mais detalhes sobre o 1º MÓDULO, acessem http://www.fespsp.org.br/extensao/matriculas-abertas/introducao-a-gestao-cultural.

Faça já a sua matrícula: http://www.fespsp.org.br/fespsp-inscricao/extensao

Veja a seguir a divulgação do evento:

Folder Curso Cultural Fesp

Curso do Terceiro Setor na Fesp – A profissionalização como fator de importância em organizações


A Alavanca Social, em parceria com a Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESP-SP, abriu inscrição para mais uma edição do curso “A PROFISSIONALIZAÇÃO COMO FATOR DE IMPORTÂNCIA EM ORGANIZAÇÕES”, que vem com a proposta de orientar, promover e conscientizar a importância na preparação e capacitação das pessoas nas práticas diárias. O curso, além das informações, irá mostrar alguns cases de organizações que conseguiram atingir seus objetivos através da desta conscientização.

Mais informações no site: http://www.fespsp.org.br/extensao/socpol_terceiro.html

Faça já sua inscrição e garanta a sua participação: Vagas limitadas! http://www.fespsp.org.br/extensao/fespextensao/Pages/Inscricao.aspx

CURSO DO 3º SETOR NA FESP

 “A PROFISSIONALIZAÇÃO COMO FATOR DE IMPORTÂNCIA EM ORGANIZAÇÕES”

 

Apresentação

O Terceiro Setor, como sabemos, veio fechar o ciclo de ações da sociedade organizada, que tanto o Primeiro Setor (Governo) e o Segundo Setor (Empresas Privadas) não oferecem e para que isso se torne realidade, o contexto exige que todas as pessoas que militam nesta área tenham uma visão diferenciada em todas as áreas de ação, sejam eles Conselhos, Gestores, colaboradores e profissionais liberais, como forma de dinamizar e obter melhores resultados em seus projetos. A palavra “Profissionalização” é muito ampla e oferece uma série de oportunidades e opções, porém, sua aplicação de forma continuada e planejada, proporciona os meios para a obtenção de resultados favoráveis.

Carga Horária
12 horas

Objetivos

  • Oferecer informações para a conscientização dos participantes na importância de estarem se preparando para um contexto profissional na área do 3º setor.
  • Demonstrar a importância do planejamento interno para o sucesso externo.
  • Conhecer as principais áreas de ação dentro de uma Organização Sem Fins Lucrativos.
  • Conhecer algumas soluções no âmbito da Gestão
  • Mostrar diferenças na Gestão e condução das atividades em Organizações existentes e atuantes no setor, bem como a necessidade de se prepararem de forma mais estruturada para suas tarefas.

Público Alvo

Fazem parte do perfil do atendente deste curso:

Gestores de Organizações sem Fins Lucrativos – buscando uma visão diferenciada da importância na preparação e realização das tarefas.
Profissionais do 3º Setor – pessoas atuantes neste segmento que queiram abraçar uma visão diferenciada da profissionalização nesta área e poderem aplicar em suas consultorias e ações.
Colaboradores e pessoas interessadas em encontrar alternativas de crescimento pessoal e profissional– Todas as pessoas interessadas neste tema.

Estrutura

Introdução ao  3º Setor – Visão Global do 3º setor no Brasil e no mundo – 2hs

Gestão Eficaz –Visão sistêmica das áreas de Gestão no Brasil – 2hs

Cases de Sucesso – Demonstração de Cases de Organizações Eficientes – 4hs

Áreas – O conhecimento, a informação e o treinamento proporcionando a renovação de conceitos – 2hs

Participação da Sociedade – A sociedade e seu papel fundamental para a mudança de conceito – 2hs

Cronograma

1ª aula – 4hs – 28/04/2012

2ª aula – 4hs – 05/05/2012

3ª aula – 4hs – 12/05/2012

Dia/Horário:  Sábados das 13 às 17:00

Nº de vagas: 50

Valor do Curso: 150,00

IMPORTANTE
Alunos regularmente matriculados em cursos de graduação e pós-graduação da FESPSP têm 40% de desconto nos cursos do programa de extensão.

Instituições conveniadas e ex-alunos da FESPSP têm 15% de desconto no valor total do curso.

Coordenador e Docente: Marcelo Rachid de Paula

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/9780393997973948

Vejam mais detalhes na página da Fesp-SP

http://www.fespsp.org.br/extensao/socpol_terceiro.html

Esperamos por vocês!

 

Faça sua inscrição: http://www.fespsp.org.br/extensao/fespextensao/Pages/Inscricao.aspx


Sobre a Alavanca Social: 
Empresa voltada a promover Treinamento, Ações na Área de Comunicação e Consultoria no Terceiro Setor e outros setores da economia. Para mais informações e contato acessem https://alavancasocial.wordpress.com e http://institutosabedoria.wordpress.com

http://www.r2creative.com.br/

Uso de tecnologia em escolas depende mais de conteúdo disponível, defendem especialistas


(Imagem do site da Prefeitura de São Caetano)

Brasília – Depois de prefeituras e governos estaduais receberem ou adquirirem cerca de 574 mil laptops por meio do Programa Um Computador por Aluno (UCA), o Ministério da Educação (MEC) acena com a possibilidade de inserir os tablets nas salas de aulas das escolas públicas brasileiras. Especialistas concordam que o sucesso do uso das tecnologias em educação não depende apenas da plataforma utilizada, mas sim da forma como a escola irá inserir essas ferramentas no aprendizado e também dos conteúdos digitais disponíveis.

A diretora da Fundação Pensamento Digital, Marta Voeclker, aponta que a escola pode “mudar de paradigma” a partir da tecnologia. Ela ressalta que o uso das máquinas – seja um computador, laptop ou tablet – pode transformar a lógica do aprendizado. Alunos deixam de ser meros “recebedores” de conteúdo e podem evoluir para autores. “A tecnologia nos ajuda a sair de uma educação por instrução e memorização para uma educação de construção e colaboração. Uma tecnologia que a criança use a imagem, escreva e formalize ali seu entendimento. Se tenta mudar a escola há 100 anos e a tecnologia vem ajudar nisso”, explica.

Sob esse ponto de vista, Marta defende que o “hardware” não importa tanto. O essencial é ter à disposição ferramentas que possibilitem um uso educacional de laptops e tablets para que as máquinas não sejam meros reprodutores dos conteúdos que já estão nos livros didáticos. “A escola vai aos poucos se tornando digital, os professores estão fazendo blogs, a gente se apropria das redes sociais, mas não há algo pensado para a escola que precisa de uma transição para a época digital”, aponta.

A especialista no uso das tecnologias da educação ressalta, entretanto, que essa transição da escola analógica para a digital precisar ser feita aos poucos. Leva tempo e exige uma reflexão da sociedade a respeito do que se espera da escola. “Quando o educador começa a trabalhar esses projetos chega um momento que o sistema não reconhece o que ele está fazendo. Isso está acontecendo em todo o mundo. No Brasil nós temos um ambiente mais propício à mudança, até do ponto de vista da legislação. Mas é uma mudança grande porque aí chegam as avaliações que hoje ainda se baseiam muito na memorização”, diz Marta. “O que precisava é de um pensamento estratégico dentro do governo para pensar esse assunto a longo prazo”, completa.

Para Ilona Becskeházy, diretora da Fundação Lemann, a primeira e principal estratégia é buscar conteúdos pedagógicos que possam ser acessados por meio dos equipamentos. “Se você não selecionar conteúdo de alto padrão, tanto faz se é papel, lousa, ou tablet. E isso a gente não faz no Brasil. A lógica deveria ser: primeiro você busca o conteúdo e depois você procura como é a melhor maneira de distribui-lo. Se ele for bom pode ser até um mimeógrafo”, critica.

Em 2012, pela primeira vez, o edital publicado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para a compra dos livros didáticos que são distribuídos às escolas públicas do país inclui os chamados “objetos educacionais complementares aos livros didáticos”. Isso significa que as editoras poderão apresentar conteúdos em formato digital que, se aprovados, poderão ser adquiridos pelo governo para uso na rede pública.

Escola paraense aponta soluções para comunidade reduzir o lixo


Fonte: http://envolverde.com.br

O projeto Consumo Consciente: Agir e Viver por um Mundo Melhor foi criado para mostrar como deve ser feito o manejo do lixo, não apenas na Escola Municipal de Ensino Fundamental Cândida Santos de Souza, mas também no bairro Distrito Industrial, onde a instituição está situada, em Ananindeua, Pará, na região metropolitana de Belém. Desenvolvido pela pedagoga Alcilene Costa de Magalhães, professora de informática educativa, o projeto busca soluções para diminuir o acúmulo de lixo na cidade.

O trabalho é feito por meio de campanhas educativas e oficinas de reciclagem para o manejo adequado dos detritos. “As campanhas e oficinas têm o objetivo de sensibilizar a comunidade para a importância de cuidar do lixo e dar a ele um local apropriado, além de praticar ações de consumo consciente, dizendo não ao desperdício”, explica Alcilene. Há 15 anos no magistério, a professora já trabalhou com alunos da educação infantil e do ensino fundamental em instituições de ensino particulares de Belém. Também foi coordenadora pedagógica da educação de jovens e adultos durante dez anos em escola da rede estadual.

A fim de mostrar à comunidade as boas iniciativas de combate à degradação do meio ambiente, os envolvidos no projeto executaram diferentes atividades. Uma delas, o manejo do lixo no bairro, sob o lema Diga Não ao Desperdício. Outra, a proposta Vamos Cuidar do Nosso Lixo, de prevenção contra os resíduos jogados no chão. Foi feito ainda um apelo por mudanças de comportamento entre as pessoas.

De acordo com Alcilene, nas ações de combate ao acúmulo do lixo na comunidade, os estudantes chamaram a atenção do público para a preservação do meio ambiente. Eles destacaram a importância de conservar a escola como patrimônio público e o lugar no qual vivem. “Com esse trabalho de informação e sensibilização na comunidade, executamos as propostas de cuidar do meio ambiente”, afirma. “E, cuidando do meio ambiente, estamos cuidando de nós mesmos.”

Cidadania – O projeto abrangeu iniciativas de cidadania voltadas para a informação e a sensibilização da comunidade escolar, executadas no decorrer do ano letivo. No primeiro semestre, foram realizadas ações interdisciplinares para discutir o tema lixo no bairro. Entre elas, reuniões, sessões de vídeo e passeios para visualização dos problemas ocasionados pelo acúmulo de lixo. Professores e alunos executaram tarefas de diversas disciplinas – português, história, geografia, inglês, ciências e educação física. Os alunos de quinta a oitava séries do ensino fundamental visitaram a comunidade em torno da escola e conversaram com os moradores para explicar o problema e indicar formas de melhorar o manejo do lixo no bairro.

No segundo semestre, foram realizadas ações de combate ao acúmulo de detritos. “Os alunos da sexta e da sétima séries informaram à comunidade sobre os prejuízos causados pelo lixo em nossa vida e como podemos colaborar para que todos vivam em paz com o manejo e a coleta seletiva”, ressalta Alcilene.

O projeto é executado desde 2009. A cada ano, ganha novas ações. Segundo Alcilene, ele se fortaleceu em 2011. “Na ação Plante uma Árvore, realizada no fim deste ano, conseguimos 250 mudas de plantas ornamentais e frutíferas”, destaca. Na gincana ambiental, promovida em setembro, foram recolhidas cinco mil garrafas plásticas. “A coleta ultrapassou nossa expectativa.”

Na visão da professora, trabalhar com projetos ajuda na evolução do aluno e a alcançar as metas. “Educamos para a cidadania e para a prática do consumo consciente”, diz. “Os resultados estão sendo gratificantes.”

* Publicado originalmente no site do Ministério da Educação.