Cursos do Terceiro Setor na Penha em Junho – Você está convidado!


cursos-alavanca


icone parceria

FAÇA A SUA PRÉ-INSCRIÇÃO E GARANTA SEU LUGAR!

BOTÃO INSCRIÇÃO5

VAGAS LIMITADAS E UM NOVO FORMATO DE VALORES E PAGAMENTOS!

ENTRE EM CONTATO PARA MAIS INFORMAÇÕES!

Flyer curso IPP_junho16

ESPERAMOS POR VOCÊ! 

INVISTA EM VOCÊ E NA SUA CAPACITAÇÃO PESSOAL!

Anúncios

Dia de Doar da Rede Cidadã


Olá pessoal!

Hoje estamos compartilhando informações sobre a Rede Cidadã e suas ações sociais.

A partir de 01/12/2015 será lançada campanha para este dia tão importante para Organizações e Projetos Sociais em todo o país. Para entenderem o que estou dizendo, vejam abaixo um resumo de tudo o que vai acontecer neste dia:

diadedoar       logo juntos com vc       logo rede cidadã

Rede Cidadã é uma das entidades que farão parte do Dia de Doar da plataforma Juntos.com.vc,
Plataforma de financiamento coletivo para projetos sociais realiza o Dia D para estimular a doação no País

No dia 1º de dezembro, a plataforma de financiamento coletivo de projetos sociais Juntos.com.vc realizará o Dia de Doar, quando disponibilizará seus recursos para arrecadação de fundos a vários projetos, entre eles, a Rede Cidadã. Por meio do site www.juntos.com.vc, qualquer pessoa, física ou jurídica, poderá contribuir, de forma efetiva, para modificar a realidade de muitas pessoas. A plataforma irá mediar as doações por meio do site, sem nenhum custo para as entidades. “Essa ação tem que ser comemorada. Por meio dela, projetos sociais dos mais relevantes, sobretudo, para comunidades e pessoas carentes, poderão receber ajuda, fomento, para continuar sua caminhada de ajuda ao próximo”, explica Fernando Alves, diretor executivo da Rede Cidadã.

Como doar?
Para contribuir, o doador deve acessar o site da plataforma (www.juntos.com.vc) e conhecer os projetos disponíveis. Lá, estarão acessíveis todos os dados das entidades, bem como sua área de atuação, quantas pessoas são beneficiadas pelo projeto, o que exatamente ele faz, entre outras informações que atestam a idoneidade de cada organização social. Assim, pode optar livremente pelo projeto social com o qual se identifica mais. A partir daí, é só clicar em “Quero contribuir”, com qualquer quantia, não há restrição, já que a ideia da plataforma é que cada ajuda é igualmente importante, pois faz parte de um todo que se torna grandioso e ajuda a muitos. Mais informações são encontradas no site da plataforma ou no www.diadedoar.org.br, endereço do Dia D.

Por que ajudar a Rede Cidadã?
Especializada na geração de trabalho e renda para jovens, adultos e segmentos sociais mais vulneráveis, como pessoas com necessidades especiais, seniores (maiores de 50 anos) e o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais), a Rede Cidadã insere esses indivíduos no mercado de trabalho por meio de projetos de Empregabilidade e de Aprendizagem, atendendo também a Lei do Jovem Aprendiz. Além disso, promove a melhoria de gestão de micro e pequenos empreendimentos, por meio do seu Eixo de Empreendedorismo, que disponibiliza mentores que oferecem todo o suporte técnico e de conhecimento ao micro e pequeno empreendedor.

A entidade oferece qualificação especializada em diversos segmentos, tais como os setores de varejo alimentar, tecnologia, entre outros. As próprias empresas parceiras da entidade absorvem a mão de obra que se forma dentro da instituição, o que faz girar uma roda de empregabilidade e parceria. Há, ainda, o diferencial de considerar o perfil de cada profissional, tanto na indicação da capacitação quanto no direcionamento das vagas.

Além desse trabalho, a organização facilita a entrada de empreendedores no mercado, dando a eles todo o suporte para o fomento do seu negócio. “Todas as pessoas que nos procuram, seja para aprender um ofício, se recolocar no mercado, ou para iniciar ou incrementar o próprio negócio recebe toda orientação. Atendemos cidadãos a partir dos 16 anos e a não há limite de idade. A crise que vemos hoje no País reitera a necessidade de formação profissional, sobretudo para as pessoas mais carentes, já que sabemos que, sem uma profissão, sem treinamento, as chances de ocupar uma vaga no mercado diminuem ainda mais”, explica o diretor.

Considerada uma das principais entidades do gênero no país, a Rede Cidadã possui atuação em 47 cidades de nove estados brasileiros. A instituição cria complementaridade entre projetos sociais de governos, empresas e iniciativas sociais do Terceiro Setor com o objetivo de fortalecer o movimento de responsabilidade social empresarial com foco na geração de trabalho e renda.

A Rede Cidadã atua a partir de uma metodologia desenvolvida exclusivamente pela própria organização, a Rede de Geração de Trabalho e Renda (RGTR). Esse método já foi reconhecido em 2011 pelos avaliadores da Fundação Banco do Brasil como Tecnologia Social – iniciativas que compreendem produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representam efetivas soluções de transformação social.

Para mais informações: www.redecidada.org.br.

_______________________________________________

Visite o site do Instituto Sabedoria e conheça a melhor maneira de você se capacitar em ações no Terceiro Setor

______________________________________________

Regras para campanhas de captação via Crowdfunding poderão mudar


Olá pessoal, queremos compartilhar com vocês notícia divulgada no grupo Captadores de Recursos, Comunicação e Marketing e que está relacionada a mudanças que poderão ocorrer no formato de captação de recursos via modelo Crowdfunding.

A princípio, haverá uma segmentação de áreas para este tipo de captação, uma para setores com fins lucrativos e outros voltados a projetos de caráter social, normalmente desenvolvidos por organizações sem fins lucrativos.

Veja a seguir a íntegra desta notícia:

crowdfunding

Está em análise na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 6590/13, do deputado Otavio Leite (PSDB-RJ), que estabelece diretrizes para a atuação de empresas de organização de investimento coletivo.

O texto classifica as companhias de crowdfunding em duas modalidades: aquelas que atuam na alavancagem de empreendimentos com fins lucrativos; e as que incentivam iniciativas com fins sociais. Em ambos os tipos, as empresas deverão atuar por meio de portal específico na internet.

No primeiro caso, o contribuinte que adquirir cota de planos ou projetos disponibilizados fará jus a deduzir do seu Imposto de Renda (IR) de pessoa física ou pessoa jurídica o equivalente a 10% do montante por ele investido. Se houver lucro, poderá deduzir do IR 50% do lucro líquido auferido.

No segundo caso, o retorno ao investidor se dará por retribuição promocional ou simbólica. Nessa modalidade de financiamento social, a dedução no seu Imposto de Renda, pessoa física ou pessoa jurídica, será equivalente a 50% do montante investido. Será permitida, no caso de aporte em projetos de natureza cultural, a aplicação dos benefícios da Lei Rouanet (8.313/91), desde que as iniciativas sejam previamente aprovadas no Ministério da Cultura, ou chanceladas por mecanismo similar instituídos por lei estadual ou municipal.

Responsabilidades – Ainda conforme o texto, todas e quaisquer responsabilidades imputáveis à qualidade dos planos ou projetos que venham a ser alavancados por intermédio de empresas de crowdfunding, assim como execução deles após a captação de recursos de investidores, serão unicamente dos respectivos empreendedores ou idealizadores desses projetos.

De acordo com a proposta, as companhias informarão para a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) todos os detalhes pertinentes de cada projeto apresentado, além de todos os dados pertinentes ao seu domínio na internet.

A proposta, que tramita em caráter conclusivo, será analisada pelas comissões de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

*Com informações da Agência Câmara de Notícias

Crowdfunding – Mobilização de Recursos pela Internet


Olá pessoal,

Hoje iremos compartilhar informações sobre uma das maneiras atuais mais inovadoras e surpreendentes para a mobilização e captação de recursos. Digo inovações por utilizar um formato dentro da rede mundial que permite a exposição permanente dos projetos, podendo permitir a captação dos recursos necessários, pois, ao traduzirmos para o português a palavra CROWDFUNDING, teremos algo como Vaquinha Solidária ou Vaquinha Comunitária, e isto, sem sombra de dúvidas trata-se de uma prática bem antiga não é mesmo?

Um meio de captação que, apesar de ser utilizado há um bom tempo nos EUA e Europa, no Brasil, pode-se dizer que ainda está engatinhando, apesar de termos um pessoal muito bom trabalhando neste negócio.

Para conhecerem um pouco mais, veja a seguir uma publicação feita no site http://redemgcidadania.webnode.com.br feita por André Gabriel. (no final do artigo, um resumo sobre ele)

crowdfunding (1)

Nota: Mais de 1,3 bilhão de dólares captados pela Internet para filantropia através de sites de crowdfunding ao redor do mundo. Esse é a soma apenas dos sites que publicam seus números e atuam especificamente para financiar projetos relacionados a causas. A grande maioria deles consta na coluna donations da lista de sites de crowdfunding do site Smarter Money – www.smartermoney.nl
No Brasil
Apesar da quantia expressiva já captada e de existirem sites de crowdfunding no exterior desde 2002, o Brasil ainda está dando seus primeiros passos no crowdfunding, especialmente no Terceiro Setor. Mas já existem 30 (trinta) sites brasileiros de crowdfunding com a proposta de financiar diferentes tipos de projetos: criativos, shows e eventos, de software, culturais, sociais, ambientais, dentre outros.
O site brasileiro que vem mais se destacando até o momento é o site Catarse – www.catarse.me, mas que atua somente com projetos criativos. Atuando exclusivamente para o Terceiro Setor, temos o site Impulso – www.impulso.org.br que trabalha com empréstimos a microempreendedores de baixa renda e os sites que foram recentemente inaugurados: LET’S – www.lets.bt e Vamos Agir ! – www.vamosagir.com
Definição
Traduzido para o português como Financiamento coletivo ou Financiamento colaborativo, o crowdfunding é a obtenção de capital para iniciativas de interesse coletivo através da agregação de múltiplas fontes de financiamento, em geral pessoas físicas interessadas na iniciativa. O termo vem sido usado para descrever ações especificamente pela Internet para arrecadar dinheiro para diferentes tipos de projetos.
A força da Multidão
A palavra crowdfunding se traduzida de forma literal para o português seria algo como financiamento pela multidão. Esse é o foco do crowdfunding. Utilizar a força da multidão para financiar projetos. Possibilitar que muitas pessoas, quando identificadas com o propósito de um projeto e cada uma contribuindo com qualquer valor que puderem (a maioria com pequenos valores), possam juntas tornar um projeto realidade.
Lembramos que os produtos e serviços de projetos de geração de renda da organização podem ser oferecidos como recompensa (contrapartida) aos apoiadores dos projetos via crowdfunding. Nessa possibilidade, destacamos um caso recente de um projeto denominado Krochet Kids Peru que conseguiu captar via crowdfunding US$ 37.000,00 – 6 (seis) vezes mais do que sua meta inicial de US$ 6.000,00. Quem patrocinava o projeto ganhava um chapéu feito por mulheres em comunidades carentes no Peru. A organização transformou o patrocínio via crowdfunding em uma compra social. As pessoas sentiam que estavam mudando a vida de pessoas no Peru ao patrocinar o projeto pelo crowdfunding levando os chapéus como recompensa.
O Iphone das Doações
O Iphone fez sucesso ao unir ferramentas que já existiam no mercado e criar um dispositivo extremamente útil e com design arrojado. Da mesma forma, o crowdfunding uniu ferramentas já disponibilizadas no mercado em um modelo de captação inovador, transparente e fácil de ser utilizado tanto pelas organizações quanto pelos patrocinadores.
Nem todos os sites de crowdfunding funcionam exatamente da mesma forma. Mas, algumas características têm se destacado na maioria dos sites de crowdfunding. São elas a existência de:
  • Vídeo do Projeto
  • Meta de Arrecadação
  • Prazo de Arrecadação
  • Recompensas aos Patrocinadores
  • Integração com as redes sociais (Facebook e Twitter)
  • Modelo de Captação Tudo ou Nada
Tudo ou Nada
No modelo de captação Tudo ou Nada, a organização só recebe o dinheiro se alcançar sua meta de arrecadação dentro do prazo da campanha de crowdfunding (que vai até no máximo 90 dias). Caso não consiga, todo o dinheiro é devolvido aos patrocinadores. A princípio isso pode parecer um ponto negativo, mas é justamente o Tudo ou Nada, com um prazo de arrecadação bem definido, que têm gerado o senso de urgência necessário para mobilizar todos que se identificam com o projeto.
Há a opção também de um modelo mais flexível onde é possível captação parcial dos recursos. Nesse modelo, para incentivar o esforço para que a meta seja realmente alcançada e que sejam traçadas metas realísticas, normalmente aplica-se uma taxa maior dos projetos que não alcançam sua meta de arrecadação.
Dos sites brasileiros para o Terceiro Setor, o Vamos Agir – www.vamosagir.com – atua com o modelo Tudo ou Nada e a Impulso – www.impulso.org.br e a LET’S – www.lets.bt – permitem a captação parcial dos recursos.
Visibilidade para os Pioneiros
Uma das vantagens para as primeiras organizações brasileiras a utilizarem o crowdfunding é a visibilidade pela inovação em sua forma de captação de recursos.
Com o crescimento do crowdfunding no Mundo e no Brasil, a imprensa têm cada vez mais se interessado pelo assunto. No Brasil, já foram veiculadas dezenas de matérias, incluindo matérias na Globo News, no Jornal da Globo, Fantástico, Multishow, Revista Época, Isto É, Folha de São Paulo, Jornal Estado S. Paulo, Revista Exame, Portal UOL, IG e muitos outros.
Como começar?
O primeiro passo é o cadastro do projeto. Entre no site de sua preferência e procure um link para “Enviar ou Começar seu projeto” e preencha o formulário com as informações sobre seu projeto.
Algumas Dicas
  • Um bom vídeo faz diferença e pode ser o grande responsável pelo seu projeto conseguir alcançar a meta ou não. Transmita a relevância e o apelo do seu projeto em seu vídeo.
  • Considere o crowdfunding como uma campanha de mobilização de recursos. Planeje a campanha considerando todas as informações que constarão no site e como você mobilizará as pessoas a conhecerem seu projeto no site.
  • Engaje sua rede de contatos a divulgar seu projeto. A probabilidade de patrocinar um projeto é maior quando a pessoa toma conhecimento do projeto através da indicação de alguém que já conhece o trabalho da organização.
  • Repita a divulgação. Divulgue seu projeto no início, no meio e no final de sua campanha. Veja abaixo o perfil das doações ao longo da campanha a partir de dados coletados de mais de 24 mil projetos de crowdfunding.
 
P.S.: Cursos
Para a organização que quiser melhor se capacitar na mobilização de recursos via crowdfunding, a Diálogo Social – www.dialogosocial.com.br – lançou o curso Crowdfunding – Uma Nova Ferramenta de Captação de Recursos.
Aberta a interessados pelo tema, lembramos também da lista de discussão crowdfunding3setor – http://groups.google.com/groups/crowdfunding3setor
 
“Quando os ventos da mudança sopram, alguns constroem abrigos, outros, moinhos.” Claus Möller.
As mudanças trazidas pelo mundo digital, pela Internet e suas redes sociais, vieram para ficar. Deixamos aqui então a reflexão de como usaremos a força dessas mudanças, ao nosso favor utilizando ferramentas como o crowdfunding ou torceremos para os ventos passarem?

Autor

André Gabriel 

Engenheiro pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pós-graduado pelo IBMEC – MBA em Gestão de Negócios e MBA em Finanças. Atualmente, é diretor de empresas tendo atuado previamente como consultor em Gestão Empresarial na Petrobras e na Gerdau Ameristeel (no Texas e em Minnesota – EUA) em projetos pelo INDG – Instituto de Desenvolvimento Gerencial. Para o Terceiro Setor, fundou os sites de crowdfunding Vamos Agir e LEts.

Crowdfunding – Uma nova maneira de empreender e realizar projetos


O crowdfunding chega ao Brasil

Fonte: http://www.hsm.com.br/blog/2011/02/o-crowdfunding-chega-ao-brasil/

Mais uma plataforma de negócios voltada ao empreendedorismo e a aceleração de projetos chega ao mercado brasileiro, o crowdfunding, e assim como as plataformas de compras coletivas (que muitas até já encerraram suas atividades) já dá sinais de que será a próxima bolha.

Em poucos meses do início do ano projetos como o Catarse, Incentivador, Movere.me, Motiva.me, Multidão e o Senso Incomun surgiram no cenário em uma espécie de inconsciente coletivo. Acredito que era algo tão desejado que o raio de insight acabou pegando todos ao mesmo tempo. Agora é saber qual deles tem maturidade, relacionamento e competência de mercado suficiente para se manter e progredir.

Modelos Colaborativos

Modelos de negócio colaborativos vieram para ficar. Modelar seu negócio através de uma plataforma participativa já é fator determinante do sucesso de um projeto, assim como na cultura open source, ganha quem tiver uma comunidade maior e mais participativa, o que, por experiência, não é nada fácil atingir (falarei mais sobre isso em outros posts).

Será que crowdfunding funciona?

A proposta dos projetos ainda não é muito diferente a do site pioneiro, kickstarter.com, onde os projetos postados que buscam incentivos permanecem no ar por alguns meses e possuem descrição e apresentação em vídeo. O site oferece também variadas formas de retornos para quem ajudar. Diferente dos modelos tradicionais, esses benefícios não são em dinheiro e sim através de outras formas não menos relevantes como, por exemplo, ter o nome nos créditos de um filme ou até mesmo aparecer como figurante em um que adoraria ver produzido e ficar registrado para sempre.

Acredito que um modelo de retorno financeiro também poderia ser pensado, afinal, mercados culturais também podem trazer ganhos e assim quebraria o ciclo de grandes patrocinadores ditando sobre o que deve ou não ser produzido, seja no cinema, teatro e shows.

Para quem é?

O crowdfunding pode ser utilizado em qualquer mercado, seja ele cultural, de tecnologia, saúde ou até mesmo projetos abertos de grandes empresas. Não somente para quem não tem recursos, mas para quem queira levantar muito capital.

Serviços além da plataforma

Outro ponto interessante é analisar as dificuldades de conseguir captação nos moldes tradicionais, apresentações e mais apresentações a investidores, reuniões, parcerias e uma energia enorme e muitas vezes pouco resultado. A pergunta é se essas plataformas serão muito mais do que virtuais e se vão cumprir seu papel de aceleradoras nesse processo de inovação em rede.

Para mais informações vale a visita: http://crowdfundingbr.com.br e ver esse vídeo de apresentação do Flattr, projeto internacional de crowdfunding