Imagem

TUDO DE BOM PARA VOCÊ EM 2014


wallpaper-arvores-natal

Garoto de 12 anos cria Organização e entrega mais de 400 bicicletas para crianças da Índia


Além de doar as bicicletas, ele ensina as crianças a usá-las.

Além de doar as bicicletas, ele ensina as crianças a usá-las.

Quando visitou a Índia pela primeira vez, na companhia do pai, que ali trabalha, Thomas Hircock tinha apenas 12 anos. No entanto, a tenra idade não impediu o jovem norte-americano de ficar chocado com a pobreza que afeta muitas famílias (e crianças) daquele país e foi assim que nasceu o Bike Club, projeto sem fins lucrativos que doa bicicletas aos meninos e meninas indianas para lhes permitir ir à escola.
“As condições de vida lá são muito diferentes para as crianças da minha idade. Se eu vivesse lá, provavelmente trabalharia numa fábrica, não teria educação”, sublinha o jovem em entrevista à BBC, acrescentando que, ao deparar-se com aquela realidade, quis tentar perceber o que poderia fazer para ajudar, perguntando às crianças do que precisavam.
A resposta foi, numa primeira análise, surpreendente. “Bicicletas”. Mas não tardou até que Thomas Hircock a compreendesse. “Bicicletas? Bicicletas porquê? Porque é a forma de chegar à escola”, explica o mentor do projeto, que, em conjunto com a família, tem trabalhado para facilitar a vida de jovens como ele próprio que percorrem quilómetros a pé para ter aulas.
Quando regressou a Filadélfia, a sua cidade natal, o rapaz norte-americano lançou uma campanha de angariação de fundos na escola para reunir dinheiro para doar as bicicletas desejadas às crianças da Índia, na sua maioria pobres e muitas delas pertencentes a castas inferiores.Acesso a transporte é acesso à educação

“Da primeira vez conseguimos juntar dinheiro para oito bicicletas”, recorda Hircock. “Foi a primeira vez que fiz algo do género. Fiquei admirado e eles também ficaram, por terem pessoas a ajudá-los”, confessa o jovem que, com a colaboração da comunidade, conseguiu já entregar 400 bicicletas em locais que “não são os mais seguros”, mas são aqueles “onde as crianças mais precisam”.
Além de transporte, estas doações significam, para centenas de meninos e meninas, acesso à educação. Mas, antes de chegar à escola, têm, habitualmente, outra lição a aprender. “Às vezes, quando entregamos as bicicletas, eles não sabem andar”, revela o benfeitor norte-americano que, da última vez que esteve na Índia, ensinou várias crianças a pedalar. “Foi muito divertido”, partilha.
A experiência tem sido muito bem-sucedida e o próprio Thomas Hircock admite que tem aprendido muito, nomeadamente que um simples meio de transporte pode ser revolucionário. “Dar uma bicicleta a estas crianças é torná-las mais fortes, é dar-lhes poder. É uma coisa incrível de se fazer”, conclui.

Você conhece a nova Rede Social para o Terceiro Setor?


socialdeverdade

 

Fonte: Rede Gots

A mobilização de recursos tem sido um grande desafio para todas as instituições do Terceiro Setor, especialmente as menores ou aquelas que não dispõem de um setor específico, em sua organização, voltado exclusivamente para a busca de recursos para a manutenção institucional ou para a realização de projetos.

A rede “Social de Verdade” é uma organização do Terceiro Setor que surge como uma alternativa criativa e inteligente para auxiliar as demais organizações. Trata-se de uma plataforma que coloca em contato, de um lado, instituições ou pessoas que queiram doar recursos financeiros ou serviços e, de outro, organizações e indivíduos que tenham uma causa legítima necessitando de apoio.

Em uma página semelhante ao Facebook, as organizações podem mostrar o seu trabalho e os seus projetos, além de também poderem estabelecer vínculos e parcerias com outras entidades. Após cadastrarem-se na rede, os doadores, que podem ser pessoas físicas ou jurídicas, também têm a possibilidade de solicitar amizade para outros doadores e para as instituições que mais combinem com sua filosofia, de modo que todos possam acompanhar as postagens de seus potenciais parceiros ou colaboradores, como em uma rede social padrão. Através do estabelecimento dessa rede, o doador pode fazer um acompanhamento detalhado da sua doação, ou até mesmo cobrar ações prometidas pelas instituições, gerando uma maior transparência na atuação das entidades. As instituições que receberem alguma doação e não postarem publicamente as suas ações são notificadas e podem ter o botão através do qual recebem apoio totalmente desabilitado.

Toda a participação na rede Social de Verdade é gratuita e a instituição não recebe nada nas transações que envolvem valores financeiros – tudo é intermediado pelo PagSeguro. O endereço da rede é www.socialdeverdade.com.br e quem quiser assistir a uma entrevista com a sua diretora, Herica Gonçalves, realizada durante a ONG Brasil 2013, o maior evento de Terceiro Setor da América Latina, é só acessar os canais REDEGOTS  no Youtube.

Garoto que criou método para detectar câncer inspira Intel


 

 

Olá pessoal!

Acredito que todos nós viemos para este mundo para colaborar com o meio onde estamos inseridos e que Deus, em sua infinita sabedoria, nos preenche com muitas possibilidades para esta condição. Cabe a cada um de nós, baseados em conhecimentos adquiridos em outras eras e na vivência atual, colocarmos em prática nossos dons, habilidades e competências como forma de transformar nosso entorno. Se vai ser uma transformação positiva ou negativa, vai depender muito da intenção de quem a pratica.

Hoje quero trazer para vocês a história do jovem Jack Andraka que, aos 15 anos, criou um sistema fantástico de diagnósticos que trará soluções em todas as partes do mundo. Vejam a seguir um resumo do que estou comentando:

Intel

 

Fonte: http://www.proxxima.com.br

O jovem de 15 anos Jack Andraka ficou conhecido mundialmente após ganhar o Grand Prize da Feira de Ciência e Engenharia da Intel em 2012. O sucesso veio por uma causa nobre: Andraka criou um método de detecção de câncer 168 vezes mais rápido, 400 vezes mais sensível e 26 mil vezes menos caro que o utilizado pela medicina normalmente.

A ideia veio depois de o garoto perder seu tio para o câncer pancreático e ouvir do médico que se a doença tivesse sido diagnóstica antes, ele poderia sobreviver. A emocionante história de Jack é a primeira da série de filmes da Intel que irá divulgar a nova plataforma da marca, chamada “Look Inside”. O filme foi criado pela Venables Bell & Partners, dos Estados Unidos.

Assista ao vídeo:

 

Decreto reduz tempo para aposentadoria de pessoas com deficiência


Aposentadoria-especial-para-deficientes

Danilo Macedo e Ivan Richard
Repórteres da Agência Brasil

Brasília –  A presidenta Dilma Rousseff assinou hoje (3) decreto que reduz o tempo de contribuição para a aposentadoria das pessoas com deficiência. Quem tem deficiência considerada grave poderá requerer a aposentadoria a partir de 25 anos de contribuição, para homens, e 20 anos, para mulheres. Atualmente, os prazos são 35 anos e 30 anos, respectivamente.

Em caso de deficiência moderada, o tempo de contribuição será 29 anos, para homens; e 24 anos, para mulheres; e àqueles com deficiência leve, 33 e 28 anos, respectivamente.

A aposentadoria por idade poderá ser requerida aos 60 anos, para homens, e 55 anos, para mulheres, cinco anos a menos do que a idade mínima exigida para a concessão do benefício, desde que seja comprovada a contribuição por pelo menos 15 anos na condição de pessoa com deficiência.

O segurado que quiser solicitar o benefício deve agendar o atendimento pelo número 135, da Previdência Social, que funciona de segunda a sábado das 7h às 22h, no horário de Brasília, ou pelo site www.previdencia.gov.br, no link Agendamento de Atendimento.

Decreto_aposentadoria_pessoas deficientes_1534

Segundo a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, o direito do segurado, desde que preencha todos os requisitos, está garantido a partir do dia em que ele fizer o agendamento.

Aos 70 anos, Olegário de Faria Belo trabalhou grande parte da vida como técnico em eletrônica autônomo. Segurado da Previdência Social, ele considera o decreto uma conquista. “A deficiência não é uma doença ou falta de capacidade. A mudança é uma oportunidade que nós, deficientes, estamos tendo, porque a dificuldade que os cadeirantes têm são muitas. Uma conquista muito grande e especial”, disse o técnico, que usa cadeira de rodas para se locomover e participou da cerimônia de assinatura do decreto no Palácio do Planalto.

Vice-presidente do Movimento Habitacional da Pessoa com Deficiência do Distrito Federal (Mohciped-DF), Manoel Maçenes, que também usa cadeira de rodas, avaliou que o decreto dará melhores condições às pessoas com deficiência. “Não é uma ajuda, é um direito, porque a gente vive na dificuldade, no dia a dia. [Esse decreto] é uma dignidade”.

Para a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, o Brasil “dá mais um importante passo para a promoção dos direitos humanos e para a diversidade”. “Estamos produzindo um efeito muito importante para o direito ao trabalho [das pessoas com deficiência]”, acrescentou.

Faltando 800 dias para prazo das metas do milênio, ONU pede aceleração no cumprimento dos objetivos


objetivos-do-milenio_gg

Escrito por  Thais Mendes Iannarelli

Com pouco mais de 800 dias para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, se reuniu na sede da ONU com chefes de Estado e representantes de empresas, sociedade civil e organizações de ajuda humanitária para pedir um impulso final para as metas.

Os ODM foram estabelecidos por líderes mundiais em 2000. Buscam reduzir a pobreza extrema e a fome, garantir o acesso aos cuidados de saúde universais e educação, igualdade de gênero, reduzir a mortalidade materna e a infantil, garantir a sustentabilidade ambiental, reduzir o HIV/aids e estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento, todos os objetivos com prazo até o final de 2015. “Esta experiência ousada ajudou a alcançar um dos maiores níveis de bem-estar humano que o mundo já viu. Treze anos depois, tenho o prazer de informar que o sucesso em muitas áreas e em muitos países está ao nosso alcance. A pobreza caiu, a saúde começou a melhorar e a alfabetização aumentou. O que parecia para alguns fantasioso e ingênuo se tornou possível.” No entanto, Ban reconheceu que o progresso dos oito ODM permanece incompleto.

Durante o encontro “Sucesso dos ODM: Acelerando a Ação e Parceria para o Impacto” em Nova York, nos Estados Unidos, foi anunciado um financiamento de quase 800 milhões de dólares para as metas.

http://www.onu.org.br