Encontro sobre o Plebiscito do Limite de Propriedade de Terra.


Vejam abaixo a chamada e o aviso sobre o Encontro sobre o Plebiscito do Limite de Propriedade de Terra.

Participem!

________________________________________________________

Caros amigos da rede Cáritas

Temos um grande desafio pela frente.

O Plebiscito do Limite de Proporiedade de Terra.

Iniciativa de várias organizações e com apoio da CNBB.

Na Diocese de Jundiaí o Pe. Geraldo Bicuco, Coordenador Diocesano da Ação Evangelizadora divulgou para todas as paróquias e solicitou que realizem o abaixo assinado.

Para melhor compreendermos esta iniciativa popular convido a todos os coordenadores, agentes de pastorais, lideranças comunitárias, sociedade em geral a participarem de um encontro na Cúria Diocesana.

Solicito apoio na divulgação.

Segue abaixo o convite

Agradeço a colaboração e dedicação

Abraços Fraternos

Rosangela

Coordenação Diocesana da Campanha da Fraternidade

_________________________________________________________________

Encontro sobre o Plebiscito do Limite de Propriedade de Terra

dia 2 de setembro, 19h30, no auditório da Cúria Diocesana de Jundiaí-SP

Iniciativa:

Campanha da Fraternidade

Pastoral Diocesana da Fé e Política

Pastoral Fé e Política de Salto,

Centro Diocesano de Formação Social e Política e

ONG Voto Consciente

Venha conhecer, debater e participar do Plebiscito!

Aberto a toda a comunidade. Não é necessário inscrever-se previamente. Participação livre e gratuita.

Local: Rua Engenheiro Roberto Mange, 400 – Anhangabaú

informações vide material no site http://www.limitedaterra.org.br/ ou http://twitter.com/limitedaterra

Seminário 20 Anos do ECA – CEDECA Convida


SEMINÁRIO 20 ANOS DO ECA

O Centro de Defesa da Criança e Adolescente – CEDECA, Jundiaí convida V.Sª, à participar do“ SEMINÁRIO 20 ANOS DO ECA”.

No dia 14 setembro, terça-feira, das 8 às 17h, No Auditório do SENAC – Jundiaí, situado à Rua Vicente Magaglio, 50 Jardim Paulista – Jundiaí-SP.

O objetivo dessa ação é fortalecer a Rede de Proteção bem como aperfeiçoar as práticas voltadas para a divulgação do Estatuto da Criança e do Adolescente, além de estimular boas práticas de implantação e implementação do ECA.

O sistema de garantia de direito, de 20 anos para cá, mudou muito precisamos ter pessoas capacitadas para fazer estas mudanças.  Conhecer o ECA é um “desafio”, por isso a necessidade de uma educação permanente e contínua para todas as pessoas que estão envolvidas direta ou indiretamente no atendimento à crianças e adolescentes.
Programação                                                                      –

08:00h- Credenciamento/Café

09:00h- Abertura Solene

10:00h- Givanildo Manoel da Silva.- Atual Coordenador do Fórum Estadual de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente -SP

Membro da Executiva do Tribunal Popular: O Estado Brasileiro no Banco dos Réus.

12:00h- Debate

12:30h- Almoço

14:00h- Rudá Ricci – Sociólogo, mestre em ciências políticas e doutor em ciências sociais (Unicamp). Diretor geral do Instituto Cultiva (www.tvcultiva.com.br). Membro do Fórum Brasil do Orçamento e do Observatório Internacional da Democracia Participativa.

16:00h- Debate

17:00h- Encerramento

Certos de contar com a participação de Vossa Senhoria na luta por defesa de direitos de crianças e adolescentes, agradecemos desde já a atenção e nos colocamos à disposição para maiores esclarecimentos. As inscrições deverão ser encaminhadas para os e-mails abaixo. VAGAS LIMITADAS!

Investimento:

R$ 40,00 – Profissionais em geral até o dia 30/08/2010, após essa data R$ 50,00.

R$ 20,00 – Estudantes e Agentes das Pastorais Sociais até do dia 30/08/2010, após essa data R$ 25,00.

O pagamento deverá ser feito através de depósito bancário:

Bradesco Agência 3317 C/C 0001532-6

OBS: Os estudantes e agentes sociais deverão apresentar comprovante que comprove a condição para concessão do preço diferenciado.

A inscrição dará direito as palestras, coffe break, pasta, crachá e certificado.

Atenciosamente,

Monica Ardigó Moreira                 e-mail monicaardigo@yahoo.com.br

Lucila Miquelin de Carvalho          e-mail prolucila@ig.com.br

CEDECA Jundiaí                          e-mail cedecajundiai@terra.com.br

Apoio:

SENAC – Jundiaí

Realização:

LANTO CONSULTORIA

EM PROJETOS

Instituto APAE de São Paulo – Cursos de Curta Duração


Olá!

O Instituto Apae de São Paulo, está com inscrições abertas para cursos de curta duração cujo tema principal envolve assuntos relacionados à pessoas com deficiência.  Vejam a seguir um release da chamada.

INSTITUTO APAE DE SÃO PAULO

CURSO DE CURTA DURAÇÃO

PROGRAMAÇÃO 2º. SEMESTRE DE 2010

  1. 1. A empregabilidade da pessoa com Deficiência Intelectual: reflexão e prática.

12 hs/aula.

2 turmas:

Noturno – 19 as 22 hs – de 20 a 23 de setembro

Diurno – aos sábados – 9 as 16 hs – 16 e 23 de outubro

Público-alvo: Profissionais de RH, gestores e dirigentes de empresas que necessitem implantar um projeto de diversidade, inclusão e realizar o recrutamento, qualificação e monitoramento destas pessoas.

Investimento: R$ 680,00 em 2 parcelas ou 20% de desconto à vista.

  1. 2. O processo de desenvolvimento e de Inclusão da Criança com Deficiência Intelectual na faixa etária de 2 a 6 anos.

12 hs/aula.

2 turmas:

Noturno – 19 as 22 hs – de 13 a 16 de setembro

Diurno – aos sábados – 9 as 16 hs – 18 e 25 de setembro

Público-alvo: Profissionais e Estudantes das Áreas de Saúde: Fisioterapeutas, Fonoaudiólogos, Terapeutas Ocupacionais, Psicólogos e Assistentes Sociais.

Investimento: R$ 448,00 em 2 parcelas ou 20% de desconto à vista.

  1. 3. Deficiência Intelectual e Estimulação e Habilitação na Primeira Infância

12 hs/aula.

2 turmas: Noturno – 19 as 22 hs – de 04 a 07 de outubro

Diurno – aos sábados – 9 as 16 hs – 16 e 23 de outubro.

Público-alvo: Profissionais e Estudantes das Áreas de Saúde: Fisioterapeutas, Fonoaudiólogos, Terapeutas Ocupacionais, Psicólogos e Assistentes Sociais.

Investimento: R$ 448,00 em 2 parcelas ou 20% de desconto à vista.

  1. 4. A importância do vínculo mãe-filho e suas implicações no desenvolvimento psicológico da criança com deficiência intelectual.

09 hs/aula.

01 turma.

Diurno – aos sábados – 8:30 as 13:00 – 03 e 10 de setembro

Público-alvo: Profissionais e Estudantes das Áreas de Saúde: Fisioterapeutas, Fonoaudiólogos, Terapeutas Ocupacionais, Psicólogos e Assistentes Sociais.

Investimento: R$ 270,00 à vista.

  1. 5. Envelhecimento e Deficiência Intelectual: Desafios e Perspectivas em uma abordagem interdisciplinar.

12 hs/aula.

01 turma. Diurno – aos sábados – 9 as 16 hs. 27 de novembro e 04 de dezembro

Público-alvo: Profissionais das áreas de saúde e afins: gerontólogos, médicos, psicólogos, educadores, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, enfermeiros, cuidadores, profissionais das Apaes, familiares das pessoas com deficiência intelectual e estudantes.

Investimento: R$ 680,00 em 2 parcelas ou 20% de desconto à vista.

  1. 6. Defesa e Garantia de Direitos da Pessoa com Deficiência Intelectual.

12 hs/aula.

01 turma. Noturno – de 19 as 22 hs – 08 a 11 de novembro.

Público-alvo: Profissionais das áreas de Direito, Assistência Social, Psicologia, Agentes Públicos, familiares das pessoas com deficiência intelectual e estudantes.

Investimento: R$ 450,00 em 2 parcelas ou 20% de desconto à vista.

  1. 7. Elaboração de Projetos Pedagógicos com Base na Socioeducação e Deficiência Intelectual.

12 hs/aula.

02 turmas.

Noturno – de 19 as 22 hs – 22 a 25 de novembro.

Diurno: sábados de 9 as 16 hs – 27 de novembro e 04 de dezembro.

Público-alvo: Profissionais e estudantes das Áreas de Educação e Assistência Social.

Investimento: R$ 375,00 em 2 parcelas ou 20% de desconto à vista.

Local: Todos os cursos serão realizados nas salas de aula do Instituto APAE de São Paulo, Rua Loefgren, 2109, Vila Clementino, São Paulo.

Mais informações na Secretaria do Instituto APAE, pelos telefones: 5080-7007 e 5080-7061 ou pelo email instituto@apaesp.org.br

Façam a sua inscrição!  Repassem para seus contatos!

Fundo Itaú Excelência Social recebe inscrições de ONGs interessadas em apoio financeiro e técnico até 15/08


Fonte: http://www.setor3.com.br

Fundo Itaú Excelência Social (Fies), do Itaú Unibanco, investe em iniciativas de ONGs com ações na área de direitos da criança e adolescentes, educação ambiental e mercado de trabalho. Até 15/08, o Fies vai destinar R$ 3,3 milhões a 20 entidades selecionadas no processo de avaliação.

Nesta edição, cada instituição vai receber R$ 120 mil em dinheiro. Serão selecionados e apoiados projetos de três categorias. Primeiro são reconhecidos ações voltadas à educação infantil, que envolvem iniciativas executadas por organizações registradas nos Conselhos Municipais de Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) e destinam-se ao desenvolvimento de crianças com idade até cinco anos. A segunda categoria é destinada a educação ambiental, focados na formação de crianças e adolescentes de seis a 17 anos com o objetivo de promover conhecimentos necessários para a preservação e melhoria da qualidade ambiental, realizados por organizações registradas nos CMDCAs. E, finalmente, ações voltadas à educação ao trabalho, que preparam adolescentes e jovens de até 24 anos para esse segmento.

O restante dessa verba o Fundo destinará ao suporte técnico, monitoramento e formação dos gestores das ONGs. Também aplicará R$ 300 mil do Fies a programas do Fundo das Nações Unidades para a Infância (UNICEF) no Brasil.

Desde 15/07 as inscrições estão abertas. Podem participar ONGs com requisitos solicitados: não tenham fins lucrativos; constituídas no Brasil, de acordo com a legislação brasileira, e possuam sede no território nacional; estejam adimplentes com suas obrigações fiscais; sejam responsáveis diretas por um programa social relacionado ao tema educação, cuja implantação tenha sido iniciada há mais de um ano e ainda esteja em execução; formalizem corretamente, até 15/08, a sua inscrição. O edital e a ficha de inscrição estão disponíveis nos sites www.fundacaoitausocial.org.brwww.itau.com.br/fies

VI Encontro Temático de Mobilização de Recursos – Avaliação de Resultados e de Impacto dos Projetos


Fonte: http://captacao.org

A ABCR – Associação Brasileira de Captadores de Recursos/Núcleo-Rio convida para o VI ENCONTRO TEMÁTICO DE MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS.
Completando um ano de trabalho no Rio de Janeiro a ABCR/Núcleo Rio faz o VI ENCONTRO TEMÁTICO DE MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS nesta edição em São João de Meriti visando ampliar e democratizar os debates que a ABCR vem fazendo a atividade de captação/mobilização de recursos.
Em formato de relato de experiência e depoimentos, o foco do encontro será a avaliação como fator crítico de sucesso de um projeto e da continuidade do trabalho da mobilização de recursos vista como uma ação contínua, transparente e responsável, focada no compromisso entre o gestor, a causa/projeto e os potenciais doador-patrocinadores. O VI Encontro Temático, diferente do Café Conversa, traz sempre um especialista e um estudo de caso para falar de temas correlatos à captação de recursos.

Na ocasião, Claudia Pfeifer, Socióloga, Mestra e Doutora em Planejamento Urbano e Regional pela UFRJ falará sobre importância da inclusão de planos de atividades e de recursos para o monitoramento da implementação de avaliação de um programa ou projeto, devidamente acompanhado de orçamento em seu planejamento. Apresenta um sistema de gerenciamento de programas e projetos que tem essa finalidade.  Na ocasião será apresentada a experiência da Visão Mundial, pelo seu Gerente da Unidade Operacional Sudeste, o sociólogo Juca Ribeiro, organização não governamental de desenvolvimento, promoção de justiça e assistência. Em suas ações, a organização desenvolve e aplica ferramentas de avaliação e monitoramento de projetos.

Agenda do dia
1º parte: Claudia Pfeifer
2º parte: Depoimento: Visão Mundial, por Juca Ribeiro, seguido de debate
Data: 5 de agosto, 9h às 12h.
Local: SESC São João do Meriti, próximo à Estação de Metrô Pavuna

Cláudia Ribeiro Pfeiffer
Socióloga, Mestra e Doutora em Planejamento Urbano e Regional pela UFRJ. Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Programas de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional, Engenharia Urbana, Responsabilidade Social e Terceiro Setor, Gestão da Sustentabilidade Ambiental e Curso de Graduação em Gestão Pública para o Desenvolvimento Econômico e Social).  E sócia da Management de Projetos e Processos Ltda. Nos últimos 15 anos, vem trabalhando com Gerenciamento de Projetos Sociais, de Desenvolvimento e Comunitários na própria universidade, na Cooperação Técnica Internacional, em órgãos públicos federais e estaduais, em organizações não-governamentais e em empresas públicas e privadas; e com Gerenciamento de Programas de Responsabilidade Sócio-Ambiental de Empresas.

Estudo de caso: Visão Mundial
A Visão Mundial é uma Organização Não Governamental (ONG) Cristã Humanitária e de Desenvolvimento criada em 1950 e presente em aproximadamente 100 países. Trabalhando no Brasil desde 1975 com o enfrentamento da pobreza e da exclusão social, a Visão Mundial prioriza em seus programas as crianças e os adolescentes que vivem em comunidades pobres e em situação de vulnerabilidade, para promover o bem estar das pessoas. Juca Ribeiro: Gerente da Unidade Operacional Sudeste I da Visão Mundial. Sociólogo, Mestre em Políticas Sociais.

Iniciativa realizada na região sul da capital forma jovens empreendedores


Fonte: www.responsabilidadesocial.com

O Instituto Paradigma, em parceria com a Ashoka, tem apoiado jovens de baixa renda de São Paulo a desenvolveram projetos inovadores e capazes de provocar transformações com amplo impacto social. As ações são promovidas pelo Programa Geração MudaMundo e consiste na oferta de consultoria para a elaboração de um plano para o desenvolvimento e aplicação do projeto.

A metodologia engloba dois encontros semanais, com workshops e visitas orientadas e o desenvolvimento do plano de ação passa por diversas etapas.

Primeiro é realizado um trabalho em equipe, seguida do reconhecimento da comunidade, estabelecimento de objetivos e metas, criação de estratégias, logística, e controle do orçamento.

Em setembro, os projetos serão apresentados para uma banca avaliadora da Ashoka, com representantes dos setores público, privado e terceiro setor. As propostas aprovadas receberão um financiamento-semente de até R$ 2 mil, para que o grupo possa implementar o empreendimento.

“Nosso objetivo é apoiar e desenvolver atitudes empreendedoras nos jovens, capacitando-os para empreender em grupo. Todos os projetos têm que ter no mínimo duas e no máximo cinco pessoas envolvidas. Queremos transmitir a importância da cooperação, inclusão e responsabilidade social”, afirma a coordenadora do projeto no Instituto Paradigma, Marcela Carvalho.

As atividades hoje contam com a participação de 24 jovens, com idades entre 15 e 35 anos, moradores da região do M´Boi Mirim e Campo Limpo, na Zona Sul de São Paulo. A formação é dada por consultores do Instituto Paradigma, no Centro da Juventude do Instituto Social Santa Lúcia, Jardim Kagohara. Segundo o Instituto Paradigma, os jovens serão orientados durante todo o processo, com informações sobre implementação do projeto e prestação de contas.

Cynthia Ribeiro

Instituto Paradigma
Telefone:
(11) 5090-0075 / (11) 5090-0075
Site: http://www.institutoparadigma.org.br


Projeto Social: um impactante quebra-cabeça


Por Gilberto Barros Lima

Fonte: www.responsabilidadesocial.com

Nosso estressante cotidiano exige uma gama de deveres e obrigações. Em todo lugar, existe uma obrigatoriedade em projetar qualquer atividade. Onde não há a cultura do projeto parece não haver conexão com a realidade globalizada. O conceito simplificado do verbo projetar significa fazer projeção de, fazer o projeto ou planta de, lançar-se, tornar-se conhecido, ou ainda, um plano ou esboço provisório.

Noutro sentido o projeto é comparado a um verdadeiro quebra-cabeça porque exige

a conjunção de peças específicas para elaboração de seus objetivos. Nem sempre o que se projeta é comparável ao mesmo objetivo, de certa maneira, para se projetar algo necessitamos de uma variedade de requisitos, aspectos e uma grande quantidade de fontes de informações.

Talvez o primeiro questionamento sobre a comparação do projeto com um quebra-cabeça seja na montagem de sua elaboração, pelo fato, da grande quantidade de peças. Alguns começam a montagem respeitando alguns pontos iniciais, outros começam aleatoriamente montando diversas peças sem a preocupação de uma regra totalmente estabelecida com rigidez.

Embora o exemplo comparativo acima descrito seja simplório, a realidade aponta que quando se projeta inadequadamente alguma necessidade de captação recursos sem o devido cuidado de apresentar aquilo que se deseja, o resultado é constantemente a reprovação.

Certamente para a elaboração de qualquer projeto de natureza social é vital conceber alguns pontos para que não haja estratégias erradas e ineficazes. Por sua vez, para enumerá-las será estabelecido alguns passos proporcionar o esperado resultado como a adaptação, processos, disciplina e um componente vital para o sucesso competitivo que é o diferencial.

Porque para ter o sucesso competitivo é necessário a aplicação do diferencial? Consequentemente quando o (a) profissional ou equipe emite o diferencial no projeto elaborado para cada finalidade, normalmente o futuro parceiro, patrocinador ou mantenedor adere o desafio e também se sente comprometido e responsável pelo permanente funcionamento das ações projetadas. Para exemplificar Osmar Zózimo de Souza Jr (2007) expressa inteligentemente que “É muito interessante observar que os índices de sustentabilidade de uma empresa no mercado futuro estão cada vez mais associados a critérios que mensuram o valor agregado da organização à sociedade”.

Como se fosse realmente um quebra-cabeça, para elaborar um projeto social e sustentável é extremamente necessário conhecer e compreender a cultura de cada parceria, não basta apenas apresentar princípios ou regras da instituição, outras características devem ser observadas meticulosamente, como os requisitos éticos e na atuação do futuro parceiro no meio ambiente, no mercado e principalmente na sociedade.

É importante ressaltar que existe uma exigente demanda pela Responsabilidade Social, ninguém quer se comprometer com projetos sociais que não atendam ambos os lados, a instituição e o parceiro, por isso a montagem desse quebra-cabeça que é o projeto social não deve ser esquecido uma única peça no momento de sua cuidadosa elaboração.

Embora o projeto social vise a busca da melhoria e qualidade de vida para a sociedade, ele também proporcionará ao parceiro um retorno de ganho social e também o esperado retorno lucrativo de todo o investimento e disponibilidade de um montante de recursos humanos e financeiros.

Para isso, para a tomada de decisão, o futuro parceiro de um projeto social dependerá diretamente de informações verídicas sobre aquilo que pretende associar a sua cultura. Deste modo um montante de dados desordenados são empecilhos e obstáculos para o entendimento das ideias centrais do projeto, essa análise deve ser ao máximo facilitada para a concretização do projeto.

Este é o momento para unir as peças deste impactante quebra-cabeça, o projeto social é um caminhado a ser trilhado por milhares de parceiros na busca de um mundo mais igualitário e justo.

Gilberto Barros Lima é bacharel em Relações Internacionais (Ibes-SC), pós-graduado em Gestão de Negócios Internacionais (ICPG-SC) e Metodologia da Pesquisa e do Ensino Superior (Ibes-SC), captador de Recursos (Fundraiser) do Centro de Recuperação Nova Esperança (Cerene) e professor universitário.