MÉDICOS SEM FRONTEIRAS


Boa noite,

Para aqueles que estão recebendo mensagens da Alavanca Social pela 1ª vez, a “SÉRIE MODELOS DE SUCESSO” é uma homenagem que fazemos periodicamente, relatando um pouco sobre Empresas do 1º, 2º e 3º setor que realizam trabalhos de destaque em favor das pessoas e o meio ambiente, incluindo-se aí projetos virtuais de sucesso na internet e que igualmente oferecem excelentes resultados para todos.

Hoje, estaremos falando um pouquinho da Organização “MÉDICOS SEM FRONTEIRAS”.

Existem em todas as partes do mundo, histórias de dedicação, abnegação, entrega, doação, despreendimento e até sacrifícios, e posso afirmar que as pessoas que fazem parte desta obra maravilhosa, composta de dezenas de projetos pelo mundo todo, podem ser enquadradas dentro deste contexto. Recebo sempre informativos sobre o trabalho realizado em várias partes do planeta, entro no site para conhecer mais detalhes e não me canso de admirar tanta força de vontade em ajudar o próximo. O que está descrito logo abaixo, é apenas uma síntese da Organização e recomendo que entrem no site: http://www.msf.org.br para conhecer com mais detalhes sobre esta obra admirável.

História

Médicos Sem Fronteiras foi criada em 1971 por um grupo de jovens médicos e jornalistas que, em sua maioria, tinham trabalhado como voluntários em Biafra, região da Nigéria, que, no final dos anos 60, estava sendo destruída por uma guerra civil brutal. Enquanto trabalhavam para socorrer as vítimas do conflito, eles perceberam que as limitações da ajuda humanitária internacional da época eram fatais. Para tratar dos doentes e feridos era preciso esperar por um entendimento entre as partes em conflito ou pela autorização oficial das autoridades locais. Além do emperramento burocrático, os grupos de ajuda humanitária não se manifestavam diante dos fatos testemunhados. Em 1971, o sentimento de frustração desse grupo e a vontade de assistir às populações mais necessitadas de modo rápido e eficiente deram origem a Médicos Sem Fronteiras. A organização surgiu com o objetivo de levar cuidados de saúde para quem mais precisa, independentemente de interesses políticos, raça, credo ou nacionalidade. No ano seguinte, MSF fez sua primeira intervenção, na Nicarágua, após um terremoto que devastou o país. Hoje, mais de 22 mil profissionais trabalham com Médicos Sem Fronteiras em mais de 70 países.

Carta dos Médicos Sem Fronteiras

“A organização Médicos Sem Fronteiras leva socorro às populações em perigo e às vítimas de catástrofes de origem natural ou humana e de situações de conflito, sem qualquer discriminação racial, religiosa, filosófica ou política.”

“Trabalhando com neutralidade e imparcialidade, os Médicos Sem Fronteiras reivindicam, em nome da ética médica universal e do direito à assistência humanitária, a liberdade total e completa do exercício da sua atividade.”

“Eles se empenham em respeitar os princípios deontológicos da sua profissão e em manter uma total independência em relação a todo poder, bem como a toda e qualquer força política, econômica ou religiosa.” “Voluntários, eles medem os riscos e perigos das missões que realizam e não reclamam qualquer compensação que não seja aquela oferecida pela organização.”

Evento

Médicos Sem Fronteiras no Brasil gostaria de convidar a todos para a Exposição Interativa Médicos Sem Fronteiras no Mundo, que estará em São Paulo durante abril de 2009. Entre 08/04 e 03/05, a exposição poderá ser vista na Marquise do Parque do Ibirapuera (acesso pelo Portão 3). O evento funcionará às terças, das 12h às 18h, e de quarta a domingo, das 8h às 18h. Semanalmente, profissionais que trabalharam com MSF no exterior irão compartilhar suas experiências com os visitantes da exposição. Confira abaixo os dias e horários das palestras: –

  • 08/04, às 14h: abertura da exposição com Simone Rocha, Diretora Executiva de MSF Brasil.
  • Palestra com Raquel Yokoda: “Moçambique: a experiência de uma médica”.
  • 18/04, às 11h: “Etiópia, a experiência de uma pediatra: Maria Claudia Senatora Soares”.
  • 25/04, às 11h: “Moçambique, a experiência de um infectologista: Tiago Dal Molin”.
  • Gostaríamos de agradecer a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente da Prefeitura da Cidade de São Paulo por nos apoiar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.